sábado, 10 de dezembro de 2011

Platão-50 anos de atividade literária, 26 séculos de influência


Você já teve um amor platônico? Já perdeu o sono pensando no(a) professor (a), vizinho(a)?
Você já teve uma fixacão por artista ou um(a) parente mais velho (a)?

Isso costuma acontecer na adolescência ou quando nos tornamos adultos jovens ( ou nem tanto) introvertidos ou tímidos e sem coragem de chegar perto do objeto de nossos desejos que é sempre, na fantasia, um ser humano perfeito e maravilhoso.
Pois fique sabendo que foi vinte séculos depois de Platão, mais exatamente no século 15 d.C, que o filósofo florentino Marsilo Ficino cunhou o termo como sinônimo de amor focalizado na beleza do caráter e na inteligência do amado (a), enquanto a paixão pela matéria fica em segundo plano.

Mais tarde, em 1636, Sir William Davenat, poeta inglês, publicou “Platonic Lovers" ("Amantes platônicos"), baseado na obra de Platão ”O Banquete”, onde o amor é definido como a maior e mais bela de todas as virtudes. Numa de suas obras mais conhecidas - ”os “Diálogos” - Platão exaltou o afeto que existia na relação de Sócrates com seus discípulos do sexo masculino, especialmente com Alcebíades - esse um amor nada platônico .
Na Grécia Antiga, a interpretação da expressão amor platônico estava ligada à identidade homo como sentimento elevado e puro.

Em contraposição, o amor socrático seria aquele referente à “pederastia”, atração erótica de um homem - geralmente com idade acima de trinta anos - por um adolescente (entre os quatorze e dezesseis anos). Platão defendia que o Verdadeiro Amor nunca deveria ser concretizado, pois, desde sempre, é cego.
Com a intimidade e a convivência, os defeitos de humor e caráter da pessoa amada acabam aparecendo e tudo acaba nem sempre bem.

Minibiografia
Platão ( significando espada afiada ou ombros largos – há controvérsias) era o pseudônimo de Aristocles, sobrenome Glaucon, nascido no sétimo dia do mês Targelión ( dia 7 de maio) de 428 a C, em Atenas, filho de Ariston e Perictione, descendentes de famílias reais.
Participou como soldado nas Guerras do Peloponeso, onde sua cidade natal –derrotada - perdeu poder e status econômico. Aos 21 anos entrou para o círculo de Sócrates. Quarenta anos separavam o Mestre deste seu discípulo querido. Assistiu o julgamento (como contou na obra Apologia) e morte de Sócrates (399 a.C) muito revoltado com o tratamento que Atenas deu a seu grande filósofo, condenado "por perverter a juventude".
Para refletir, arejar e se instruir fez uma grande viagem (390-388 a. C), que serviu como inspiração para escrever os “Diálogos” e refletir sobre Ética e sobre as injustiças humanas.

Esteve no Egito, onde observou a estabilidade política; na Itália, onde trocou idéias com os pitagóricos, na Sicília, onde conheceu Dionísio I, de Siracusa.
Aprendeu muito sobre a forma de governar do rei ,experiênciaque seria a base para a obra “A República”. Mais tarde, fez outra visita a Siracusa para conhecer o sucessor, Dionisio II.

Voltando à Grécia, seu navio foi interceptado em Egina e Platão foi vendido como escravo a Aníceris de Cirene, que o havia reconhecido e logo lhe devolveu a liberdade

Grande comunicador e figura carismática, Platão era considerado filho de Apolo e o povo dizia que, quando criança,”abelhas haviam adocicado seus lábios com mel”, tão doces e convincentes eram seus discursos.
Em 387 a. C comprou um terreno nas proximidades de Atenas, onde fundou a Academia, centro especializado em filosofia e cultura que funcionou normalmente até 86 a.C , quando foi destruída pelos romanos.

Adquiriu terras perto de Colona, povoado da Ática, onde construiu um templo às Musas, que se tornou propriedade coletiva da Academia

Premonitório

Grandes filósofos e intelectuais frequentaram a Academia, inclusive Aristóteles, na imagem abaixo à esquerda do Mestre, que ali permaneceu durante 20 anos (367-347 a.C.).

Platão foi influenciado por Pitágoras, na área da harmonia numérica e geomatemática,
por Anaxågoras – mestre de seu amado Sócrates - que discorria sobre o fato da Inteligência e a Razão preencherem o Todo
e por Parmênides, que pensava a unidade de todas as coisas, concluindo seu raciocínio sobre a alma humana..
Nosso filósofo também não concordava com o fato dos políticos mais votados assumissem os principais cargos em uma cidade ou país pois achava que
nem sempre os mais votados eram os mais preparados.
Procurava a criação de
uma alternativa para impedir que a política fosse abalada pela corrupção e a incompetência.

Platão morreu em Atenas aos 81 anos, em 347 a. C .

A atividade literária tomou 50 anos de sua vida: desde a morte de Sócrates até a sua própria, sempre ensinando na instituição que fundou.
No local da antiga Academia foi construído outro centro de estudos filosóficos, chamado de neoplatônico que durou até 529 d.C,fechado sob o governo de Justiniano I, sob alegação de propagação do cristianismo.
****************************************************

Nenhum comentário: