quarta-feira, 19 de setembro de 2018

45 anos sem Pablo Neruda





 Neruda e Matilde
Neruda jovem

 
  
Quando o poeta ainda era Eliecer Ricardo Neftali Reyes Basoalto




Em 18 de Março de 2004, Dia Mundial da Poesia, a UNESCO homenageou o poeta e diplomata chileno Pablo Neruda, por ocasião da celebração do centenário de seu nascimento.
Prêmio Nobel de Literatura em 1971, Neruda é o mais lido e conhecido dos poetas hispano-americanos.

O conjunto de sua obra reflete - além do amor, do erotismo, da natureza e vivências pessoais - as lutas da esquerda pelo desenvolvimento da América do Sul.
Até os 16 anos, Neruda foi Ricardo Eliecer Ricardo Neftali Reyes Basoalto.

Nascido em Parral, em 12 de Julho de 1904, filho do ferroviário José del Carmen Angel Reyes Morales e Rosa Neftali Basoalto, professora primária.
 Rosa morreu vitimada pela tuberculose apenas um mês após dar à luz seu único filho.

 Esta ausência marcaria para sempre o poeta, que dedicou-lhe mais tarde os poemas “Luna” e “Humildes Versos para que Descanse Mi Madre”, publicados em seu livro póstumo “El Rio Invisible”.
 Eliecer Ricardo foi criado pelos avós até 1906, quando foi viver em Temuco com o pai, que havia se casado novamente.
Temuco, no início do século XX, era habitada por colonos e comunidades de indígenas sem terra, que seriam citados mais tarde no livro “Canto geral”, de 1950.
Trinidad Candia Marverde, a madrasta, lhe deu dois meios-irmãos : Laura e Rodolfo. Ela foi rebatizada pelo enteado como “Mamadre”. pois a palavra madrasta era muito forte para definir aquela que chamou “o anjo da guarda de minha infância”.

Num cartão de aniversário para Mamadre estão seus primeiros escritos conhecidos: "De un paisaje de aúreas regiones yo escogí para darle querida mamá esta humilde postal".
 Desde os 13 anos Neruda era colaborador do jornal “La Mañana”, mas a poesia chegou através de seu tio Orlando Mason, poeta e fundador do “Diario de Temuco”.
 Em 1919, o jovem foi matriculado no “Liceo de Hombres de Temuco” .

 Para José del Carmen, que desejava ver o filho também ferroviário, era vergonhoso ter seu sobrenome ligado à Poesia e à Literatura.
Mesmo assim, muitos artigos foram publicados em jornais e revistas das cidades de Temuco, Valdivia, Chillán y Santiago, entre 1917 e 1919.
Já colaborador do jornal literário Selva Austral - para ter liberdade de escrever o que bem entendesse – adota, em 1920, o pseudônimo que o celebrizou : Pablo, porque gostava do nome e Neruda em homenagem ao poetaJan Neruda, um dos mais importantes nomes do Realismo Tcheco.

Instaldo em Santiago para estudar Francês, vivia com grande dificuldade financeira, morando em repúblicas de estudantes e pensões modestas.
Em 1921, assina pela primeira vez como Pablo Neruda um artigo sobre um atentado contra a Federação de Estudantes Chilenos.
 Neste mesmo ano, ganhou seu primeiro concurso literário com o poema “Canción de Fiesta”.
O primeiro livro, “Crepusculário”, produção independente custeada pelo autor e alguns amigos foi publicado em 1923 com poemas publicados na revista “Claridad”.

A influência de Gabriela Mistral

 A chilena Gabriela Mistral - nascida Lucila Godoy e também Prêmio Nobel de Literatura em 1945 - foi professora de Neruda numa escola rural e o incentivou a continuar escrevendo poesia.
Através dela tomou conhecimento da literatura russa, que seria para sempre uma fonte de inspiração.  



 Albertina e Neruda
O primeiro amor

Albertina Azócar foi o primeiro amor de Neruda.
O casal se conheceu no Instituto de Pedagogia, onde ambos estudavam e ali começou uma relação apaixonada “cheia de altos e baixos”, segundo o poeta.
Discreta e inteligente, Albertina não aceitava, porém, viver uma relação sem casamento formal.

Mais tarde, quando já era Consul no Ceilão (1929) escreveu uma carta desesperada à amada hesitante : “me estoy cansando de la soledad, y si tú no vienes, trataré de casarme con alguna otra".
Ela não foi. Ele casou-se com a holandesa María Antonieta Hagenaar.

 Esta paixão não totalmente realizada transformou-se em 35 cartas, escritas entre 1921 e 1932, de várias partes do mundo. Os poemas dedicados à musa - ”20 poemas de amor y una canción desesperada" - se transformaram em um dos best sellers do século XX : mais de um milhão de exemplares vendidos


*****************************************************

Neruda e Matilde Urrutia

Amor definitivo




Atlântida,um pequeno balneário distante 40 km de Montevidéu foi o refúgio do amor clandestino dos chilenos Pablo Neruda e Matilde Urrutia, até que se casaram oficialmente, em 1962, depois da morte da pintora Délia del Carril, a segunda mulher do poeta.


Hoje, a casa em que se encontravam foi transformada em museu - o "Paseo Neruda". 


E o local dos encontros secretos se incorporou à poesia de Neruda sob a forma de um anagrama : Datlitla.


Matilde e Neruda se conheceram num concerto ao ar livre, na Cidade do México. Ambos eram comprometidos. Ele casado e ela envolvida com sua carreira de cantora lírica internacional.
Ao se reencontrarem em 1949, quando se iniciava a permanência do poeta no exílio, o amor floresceu. Uma espécie de casamento secreto ocorreu em Cannes, tendo como testemunha "somente a luz da lua".


Logo no início da relação, Neruda inventou um nome secreto para Matilde,fundamental presença: "Rosário de la Cerda" - a ela foram dedicados os "Versos do Capitão". 
 
Os anos que lhe restaram na companhia, agora oficial, da amada definitiva são pontuados por uma nova grande onda de criatividade: escreveu, fundou e dirigiu uma revista, construiu uma nova casa em Valparaíso e continuou suas viagens.

Esteve em turnês poéticas pela América do Sul, pelos países socialistas e chegou até a China, fixando-se em Paris. Também se tornou membro correspondente da Universidade de Yale, foi nomeado Embaixador do Chile em Paris e recebeu o Nobel de Literatura. em 1971.Candidato à presidência da República, renunciou em favor de seu amigo Salvador Allende. 


Neruda morreu em Santiago, no dia 23 de Setembro de 1973, duas semanas após o golpe militar que deu início ao negro período na história do Chile. Sempre fiel ao companheiro, a quem sobreviveu doze anos, Matilde dedicou o resto da vida a cuidar do patrimônio poético e espiritual do amor de sua vida.

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Trilogia atentados políticos - FIM- O caso do Riocentro



O começo do fim da ditadura militar
Milhares de pessoas participavam do show em homenagem ao dia do Trabalho no RIOCENTRO(na zona oeste do Rio )e,em torno das 21 horas e 30 minutos do dia 1º de maio de 1981 ,a cantora Elba Ramalho saudou a multidão com a palavra de ordem "VOTE!!"
**********
E o castigo veio de Puma 



O entusiasmo do povo sufocou o estrondo que aconteceu no estacionamento do Pavilhão.
Um Puma chegou atrasado nesse exato momento para o início do show(a Barra da Tijuca era deserta) e o ataque a bomba ,que deveria ser executado, frustrou-se.


O motorista, então Capitão Wilson Dias Machado, com 33 anos na época,ficou gravemente ferido.


O potencial assassino(potencial?) hoje tem a patente de Coronel e é educador do Exército no Colégio Militar de Brasília
No banco do carona vinha o Sargento do Exército Guilherme Pereira do Rosário, 35 anos, pai de dois filhos.

Ele carregava a bomba que deveria explodir mais tarde e morreu na hora. A ditadura militar acusou os integrantes radicais da esquerda,mas a hipótese era totalmente sem propósito. 
Hoje sabemos que a patética estratégia foi montada pelo SNI e pelo CIE.
A segunda bomba também falhou.Jogada por cima do muro explodiu no pátio do Pavilhão do Riocentro e nem a luz foi interrompida.
Um casal de namorados,que teria morrido se o atentado desse certo, atendeu o ferido e o levou a um hospital próximo A moça era Andréa, uma neta de Tancredo Neves,irmã do ex- Governador de Minas,Aécio Neves. 
***************************************************************

domingo, 9 de setembro de 2018

Trilogia Atentados Políticos -2 - Contra JoãoPessoa


26 de julho de 1930



Este atentado ,embora de origem política,envolve questões amorosas, de escândalo e de honra.






"João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque sobrinho de Epitácio Pessoa, presidente da República (1919-1922),auditor-geral da Marinha, ministro da Junta de Justiça Militar, ministro do Superior Tribunal Militar e presidente da Paraíba (1928-1930). Negou o seu apoio ao candidato oficial à presidência da República Júlio Prestes, em 29 de julho de 1929. Mais tarde compôs com Getúlio Vargas a chapa de oposição à


Seu assassinato, na Confeitaria A Glória na Rua Nova no Recife, por João Dantas, enquanto ainda era governador, é considerado uma das causas da Revolução de 1930, que depôs o presidente Washington Luís e levou ao poder Getúlio Vargas.

João Duarte Dantas, seu adversário político e jornalista teve

sua casa invadida e cartas íntimas apreendidas trocadas com

a professora Anaíde Beiriz.foram publicadas em todos os jornais do estado.


A partir de 4 de setembro de 1930, a capital do estado da Paraíba, antes denominada de "Parahyba", passou a se chamar João Pessoa''
(Wikipedia)


 **********************

Anayde Beiriz


 Anayde Beiriz
"Poeta e professora, ela escandalizou a sociedade retrógrada da Paraíba com o seu vanguardismo: usava pintura, cabelos curtos, saía às ruas sozinha, fumava, não queria casar nem ter filhos, escrevia versos que causavam impacto na intelectualidade paraibana e  colaborava para os jornais.

Anayde Beiriz nasceu em 1905, em João Pessoa. Diplomou-se pela Escola Normal em 1922, com apenas 17 anos, destacando-se como primeira aluna da turma. 
Além de normalista, era poeta e amante das artes. 
Logo que se formou, passou a lecionar na colônia de pescadores perto de sua cidade natal. 
Em 1925, ganhou um concurso de beleza. 
Circulava também nos meios intelectuais, onde declarava-se publicamente a favor da liberdade e da autonomia feminina.

A figura de Anayde Beiriz coincide com a história de muitas mulheres que, tanto no passado quanto no presente, foram punidas e hostilizadas com justificativas em cima de padrões morais sexuais.

 Ela teve sua história protagonizada no filme “Parahyba, Mulher Macho”, da cineasta Tizuka Yamakazi, devido a sua resistência, atuação política e liberdade de amar enfrentando preconceitos e julgamentos. 
Seu nome está ligado à história por ter se envolvido com um homem conservador cujas ideias ela discordava. 

Esse homem era João Dantas, advogado e jornalista, candidato republicano de oposição a João Pessoa (vice de Getúlio Vargas, até então governador da Paraíba). A polícia invadiu a casa de João Dantas a mando de João Pessoa, em buscas de armas, mas ao revistar a residência e não encontrar nada, foram localizadas correspondências enviadas por Anayde, as quais foram amplamente divulgadas na imprensa, a fim de sujar a honra de Dantas."
 ***
 "Dantas, após ser preso, também acabou sendo encontrado morto dentro da cela. No mesmo ano, desencadeia a Revolução de 1930, que mesmo com justificativas políticas, tem no plano de fundo essa trama machista, onde a mulher acaba por sofrer a pior punição, que é a morte social, seguida da morte física. 
 Anayde   ficou só e marginalizada, acabando por tomar veneno e morrendo sozinha em um abrigo em Recife – Pernambuco, sendo abandonada pela família e enterrada como indigente "
***************
Cena do filme "Paraíba mulher macho"(1983, da cineasta Tizuka YamazakiJoão Dantas (Claudio Marzo) atira em João Pessoa (Walmor Chagas),para lavar sua honra. 
https://www.youtube.com/watch?v=74QzaPHEUX8 

******* 
Documentário sobre o romance de Anayde Beiriz e João Dantas


https://www.youtube.com/watch?v=B7gr0EUzpbw


************ 

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Trilogia dos atentados politicos no Brasil- 1- Contra D Pedro II

 ( no detalhe, o autor Adriano do Valle)

*********************************


16 de julho 1889

Antecedentes

O Brasil vivia um momento de grande prestígio como potência que emergia no mercado internacional.


Um ano e dois meses após a abolição da escravidão,as esperadas perturbações na economia ainda não eram graves,mas os grandes fazendeiros de café estavam inconformados. A colheita de 1888 tinha sido muito boa e eles ,que detinham grande poder político, consideravam a assinatura da Lei Áurea como uma traição,poisnão foram ressarcidos pelo que consideravam súbito prejuízo.

Para compensar,o governo aproveitou o crédito fácil disponibilizando enormes somas a juros baixos aos cafeicultores e lustrou seus egos distribuindo títulos de nobreza. Algumas outras compensações foram oferecidas a políticos descontentes. 


A antiga Guarda Nacional, criada para resguardar segurança,ordem e garantir cumprimento da Constituição, foi reativada.Os militares temeram esta volta de força paralela.
A maior parte da população brasileira não desejava uma mudança de governo, mas os republicanos civis passaram a pressionar os oficiais no sentido de  derrubar a monarquia.


***********************

Abaixo, transcrevo os textos publicados na imprensa,no curioso estilo original/ortográfico e puxa-saco  da época.Magestade com G e etc

*****

Gazeta da Tarde, 16 de julho de 1889. 

Representava-se ontem no Sant'Anna a "Escola dos Maridos", tradução de Arthur Azevedo, e nos intervalos apresentava-se ao público a prodigiosa violinista Giulietta Dionesi. S.M. o Imperador, que desejava conhecer a tradução, tanto que supondo-o impressa mandara procurá-la pelas livrarias, aproveitou o ensejo de ir ao teatro.

O Sant'Anna achava-se repleto: platéia e camarotes ocupados por pessoas da melhor sociedade; as galerias cheias da gente que de ordinário a freqüenta. 
No camarote imperial achavam-se, além de SS. MM. o Imperador e a Imperatriz, SS. AA. a Sra. Princesa Imperial e o Sr. D. Pedro Augusto e camaristas de semana. 

O espetáculo correu na melhor ordem. A atitude do povo era de todo o ponto pacífica e cortês. Nem se quer se poderia suspeitar que houvesse ali o elemento de desordem que mais tarde se revelou.

Terminado o espetáculo, o povo que enchia o teatro procurou as saídas. A família imperial dirigiu-se para a porta, indo na frente a Sra. Princesa Imperial, seguida de Sua Magestade o Imperador, que dava o braço a Sua Magestade a Imperatriz e do Sr. Príncipe D. Pedro.

O povo encostado para os lados, abria caminho a SS. MM., em silêncio. 
Ao chegarem ao vestíbulo do teatro, de um pequeno grupo de pessoas de baixa classe partiu um grito estentórico: "Viva o partido republicano". 
O Imperador parou imediatamente. Começou então uma confusão extraordinária. Grande número de pessoas prorompeu em vivas ao Imperador, acercando-se dele. 
As senhoras, tomadas de pânico, precitavam-se para o interior do teatro, de onde refluiam, empurradas pela onda dos que saiam. O tumulto generalizara-se: tanto na rua do Espírito Santo, como no largo do Rocio, nas circanias do teatro, vivas desencontrados se ouviram. Finalmente, pôde S.M. tomar o carro, seguindo acompanhado do piquete, que o guardava de espadas desembainhadas.

Ao passar, porém, pela frente da Maison Moderne, foram disparados três tiros de revólver na direção do carro que o conduzia. Asseguram-nos que um desses tiros quase alcançou o Sr. D. Pedro Augusto.
Felizmente S.M. o Imperador passou incólume. O sentimento da mais profunda indignação pintou-se em todos os semblantes dos que foram testemunhas desse baixo atentado. (...)" - Novidades, 16 de julho de 1889.
"Ontem à noite quando terminava o espetáculo no teatro Sant'Anna quando SS. Magestades Imperiais, SA. Princesa e SA. o Príncipe D. Pedro Augusto se dirigiam para o carro, um pequeno grupo de desordeiros levantou vivas à República. Travou-se então um conflito que pouco durou pois foi abafado pela intervenção do público sensato que também se retirava do teatro.
Quando o coche imperial seguia para a praça da Constituição, um indivíduo teve a leviandade de disparar um revólver evadindo-se em seguida para um estabelecimento próximo.
Pouco depois, porém, foi preso pelo povo um homem que se supõe ser o autor do atentado. À hora em que escrevemos esta ele sendo interrogado na 1a estação policial." - Diário do Commércio, 16 de julho de 1889.
SS. MM. e S.A. Imperial e S.A. o Príncipe D. Pedro, com seu séqüito, se retiravam do teatro Sant'Anna, à meia-noite de ante-ontem, quando no meio de um grupo que se achava à porta do mesmo teatro partiu um viva à República. 
Abafado esse viva sob palavras e vivas à monarquia, a D. Pedro II e à família Imperial, gerais e estrepitosos, houve um ligeiro conflito, que mais susto causou do que teve resultados funestos.

No meio desse tumulto, e aclamados pela multidão, puderam os Augustos espectadores tomar o seu coche e retirar-se com sua comitiva e guarda. Apesar, porém, da retirada de SS. MM. e AA.., a agitação continuou por algum tempo e propagou-se pela vizinhança do teatro.

Quando mais forte era o tumulto ouviu-se a detonação de um tiro de revólver, que foi dado próximo ao carro de SS. MM. quando este partia em direção do Paço da Cidade.
Grande foi a confusão que causou esse atentado, que ninguém podia prever nem esperar, o que deu lugar a ser impossível, na ocasião, prender-se o criminoso, que evadiu-se, aproveitando-se do barulho e ocultando-se no meio da grande multidão que estava no local.
Entretanto, o agente da polícia Paulino Alberto de Magalhães capturou o espanhol Ramon Gonçalves Fernandes sobre que caiam as suspeitas da autoria do crime. Em seu poder não foi encontrada arma alguma, nem foram suficientes as provas contra ele, pelo que foi posto em liberdade ontem de manhã.

Quando procediam as autoridades às primeiras diligências chegou ao seu conhecimento que era conhecido o autor do atentado, que havia sido visto pelo Sr. Antônio José Nogueira, empregado do Maison Moderne.
Por essas indicações, das 2 para as 3 horas da madrugada, o 1o delegado de polícia, Dr. Bernardino Ferreira da Silva conseguiu prender, em um bonde da Companhia de Botafogo, na rua de Gonçalves Dias, Adriano Augusto do Valle, que fôra acusado de ter disparado os tiros de revólver." - 
********

Diário do Commércio, 17 de julho de 1889.
"Ao terminar o espetáculo de ontem no teatro Sant'Anna, quando saíam suas magestades, houve um grande movimento de povo dando vivas à República uns e outros à monarquia, sendo em frente a Maison Moderne disparados alguns tiros.
Nós os republicanos nada temos com essas arruaças, que devem ser levadas somente à conta da polícia disfarçada e da guarda criada para garantia do trono." - República Brazileira, 16 de julho de 1889.
" (...) O desacato que sofreu o chefe do estado, alquebrado pelos anos e pela moléstia, junto à santa senhora que o acompanhava só pode ser levado à conta da loucura daqueles que a todo transe procuram indispor e vilipendiar o nosso partido. Apelamos para o próprio imperador, e ele, que com cosciência nos diga, se julga que haja nesta terra um "verdadeiro republicano" que seja capaz de atentar contra a sua vida! Revolucionários, sim, assassinos, nunca!" - 


República Brazileira, 17 de julho de 1889.
"Causou a mais viva impressão a notícia da deplorável ocorrência de ontem à noite, às portas do teatro Sant'Anna e suas circumvizinhanças.
Um grupo, quando o Imperador saía do teatro em companhia de sua augusta família, levantou vivas à república, o que produziu a maior confusão no povo, que em desafronta de Sua Magestade levantou vivas ao imperador.
Sua Magestade embarcou em seguida no seu coche, que partiu a trote largo, e afirmam várias pessoas que, no momento de passar aquele por defronte da Maison Moderne, ou Stat-Coblentz, ouviu-se a detonação de um tiro.     
Este fato deu à ocorrência o vulto de um atentado, que comoveu profundamente a opinião.(...)
Não podemos acreditar que houvesse a intenção de atentar contra a pessoa do Imperador. Repugna a índole do nosso povo; não se conforma com os nossos sentimentos a premeditação de tal crime, contra o soberano que aboliu de fato a pena de morte. (...)" - Cidade do Rio, 16 de julho de 1889.
"Ontem, quando se retirava do teatro Sant'Anna, terminado o espetáculo, foi sua magestade obrigada a parar à porta de saída.
Grande multidão de indivíduos achava ali postada e dentre ela partiu um grito sedicioso. Sua Magestade parou e no mesmo instante viu-se cercado por todos tantos o acompanhavam.
Ao passar o carro em frente à Maison Moderne, ouviu-se a detonação de alguns tiros. Fácil é de imaginar-se o tumulto produzido por este fato.
O piquete de cavalaria, que gurdava a carruagem imperial, marchou em disparada, acompanhando-a pela rua da Carioca, por ter o cocheiro fastigado os animais, afastando-os do lugar tumultuoso.
A polícia compareceu imediatamente e foram dadas várias ordens para conhecer-se qual o autor do atentado, até então desconhecido.
Intimadas várias pessoas para virem à Polícia, conseguiu por fim o dr. Bernardino Ferreira, 1o delegado, conhecer a verdade, por denúncia de um cavalheiro. (...)

A população brasileira foi hoje dolorosamente impressionada, tomando-se da mais justa indignação pelo estúpido atentado cometido ontem, à noite, contra Sua Magestade o Imperador, quando este retirava-se com Sua Magestade a Imperatriz do teatro Sant'Anna.
Era o sr. D. Pedro II o único soberano deste século contra quem não tinha havido atentado de espécie alguma e isso abonava principalmente a brandura do coração brasileiro e dos nossos costumes.

Infelizmente, houve ontem um atentado que não podemos atribuir senão à inconsciência de quem o praticou: ou loucura ou embriaguez, pois, por honra do partido republicano, não acreditamos que tal ato dele partisse. Esse triste acontecimento é ainda uma das consequências da profunda anarquia que lavra nos espíritos do Brasil, onde todas as noções de direito, dever e liberdade acham-se completamente obliteradas." 

 ******
AS MANCHETES

Atentado Contra o Imperador
Tiros de Revólver
Prisão do Criminoso (Novidades)
Lamentável (Diário do Commércio)


***************
 

terça-feira, 4 de setembro de 2018

Imigração alemã no Brasil



***********************************************************

Pai, só depois que mergulhei de cabeça nas profundezas do teu idioma materno  quando já não podias mais me reconhecer ,devastado que estavas pelo Mal de Alzheimer(  o idioma  foi nosso tardio ponto de encontro - ou desencontro?)  e quando me tornei -pela lei -cidadã alemã e fui,de certa forma,ressarcida dos sofrimentos que também me couberam na vida pela tua ausência física, é que comecei a te entender  melhor.

*********************************  


"Subindo... Sim, estou subindo novamente e estou contente por isso.Há muito tempo senti que as alternativas para mim eram subir ou desaparecer.E o destino fez com que eu encontrasse, quando estava no "ponto morto"gente que me tratou de igual para igual,com dignidade,humanidade e camaradagem.

Conheci os irmãos Hinrichsen.


Quando perceberam que tinha levado um tombo em minha vida,não comentaram como os outros faziam, que era "lamentável"ou coisa parecida.. Eles simplesmente trataram de indicar o caminho para eu me encontrar novamente.


Devo a eles o ensinamento de vencer as adversidades com garra, raça e disposição férrea. Gostaria de demosntrar ,no futuro, o reconhecimento por tudo que fizeram por mim, retribuindo com a mais profunda gratidão..... ....Foram as privações que modificaram minha personalidade me submetendo a provas duríssimas...


...Muita gente devia passar,pelo menos, um ano no mato,de bonito muito pouco guardo,de dificuldades,bastante mais.....


...Não estou em condições agora de avaliar como este período influenciou minha vida,mudou minha mentalidade....


.....Tanto tempo em terra estranha, com gente e circunstâncias diferentes..digo que nunca vou esquecer o que isso me proporcionou de ensinamento valioso para o resto de minha vida....


........Mais 3 dias e vou deixar definitivamente a Colônia Rolândia.com o cano de descarga totalmente aberto,espalhando fumaça e fazendo barulho.




Rolândia- com tudo em redor-ADEUS!!!! ""



(tradução de trechos do diário de meu pai, imigrante em Rolândia,Paraná, apátrida, fugitivo das barbaridades cometidas por Hitler,atleta olímpico, cadete do Reichswehr,tropa de elite e crème de la crème do exército alemão...... e judeu)







*******************************************************************



Num período de quase cem anos, nos séculos 19 e 20, aconteceu uma corrente migratória de alemães para diversas partes do Brasil.
Os problemas sócio-econômicos causados por guerras e revoluções pareciam ter encontrado como solução a fartura das terras no imenso território brasileiro de tal forma que cerca de 10% dos brasileiros (uns 18 milhões)possuem,pelo menos, um antepassado alemão Junto com os italianos, os alemães são a principal etnia do sul do Brasil..A primeira colônia alemã no Paraná:Rio Negro, fundada em 1829 ,está completando 180 anos.
Em 1855, alemães originários da Prússia se estabelecem nas Colônias de Terra Nova e Santa Leopoldina, em Castro.
Entre 1877 e 1879, chegaram os alemães vindos da Rússia.
Mais imigrantes chegaram no início do século XX, vindos diretamente da Alemanha, para povoar  as regiões leste e sul (em cidades como Curitiba, Ponta Grossa, Palmeira, Rio Negro, Ivaí, Irati, Cruz Machado, entre outras).
Em meados dos anos 1950, pessoas oriundas de colônias alemãs em Santa Catarina e Rio Grande do Sul também migraram para a Região Oeste e Sudoeste do estado.
Nesta mesma época, imigrantes da região do Rio Danúbio criaram Entre Rios, em Guarapuava, e os de de Danzig ocuparam a região de Cambé e Rolândia, no norte do estado.
Curitiba,onde chegaram a partir de 1833,tem forte influência germânica na cultura e na economia .
Para preservar suas raízes, os imigrantes se juntaram em sociedades teuto-brasileiras:Clube Concórdia, Clube Rio Branco, Duque de Caxias, Clube Thalia, Graciosa Country Club e o Coritiba FC.
Hoje, a maior colônia de alemães paranaenses está no município de Marechal Cândido Rondon
 ****************************************************

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Banksy , o gênio anônimo grafiteiro



Banksy, o artista inglês icônico e anônimo, produz  grande variedade de obras de arte em estêncil,com mensagens sociais poderosas e  polêmicas.
Menina com balão
 *****************


Cercado de mistério,Banksy,que sabemos ter nascido em Bristol (1974)é o pseudônimo de um artista conhecido por sua arte urbana (ou street art) e também como pintor e diretor. Corre a lenda de que poderia ser um coletivo e,não,um único  grafiteiro.

Combina as técnicas de AndyWarhol com o trabalho direto nas áreas urbanas para transmitir suas mensagens, que muitas vezes misturam política, humor e poesia  e são assinadas como Ernest Pignon-Ernest, Miss.Tic, Jef Aerosol ou Blek the rat. 

Os estênceis de Banksy são imagens humorísticas, às vezes combinadas com slogans. 

A mensagem é ,em geral, transgressora, libertária,antimilitarista, anticapitalista ou contra o sistema vigente no local escolhido como tela.Seus personagens são  ratos, macacos, policiais, soldados, crianças, pessoas famosas ou pessoas idosas. Os trabalhos podem ser encontrados na Inglaterra, na França, em Viena, em São Francisco, em Barcelona, nos Estados Unidos, na Austrália e até na Faixa de Gaza. 

*************************

A partir daqui,replico o texto e as imagens do sensaciona site Cultura Genial. Sugiro que você,leitor, dedique um tempinho aos dois documentários ao final.
***********

  Os 13 trabalhos de Bansky que você precisa conhecer
"Irônico, controverso, sarcástico, rebelde, irreverente, as obras de Banksy são feitas na rua e para a rua, tem como público alvo os transeuntes. Como a maior parte das peças está em espaços públicos, o trabalho é sujeito a perenidade do tempo e ao vandalismo. 
"A arte deve confortar o perturbado e perturbar o confortável."
Banksy
Vamos descobrir as treze obras mais famosas desse gênio da arte de rua:

1. Girl with Balloon

girl balloon
Criado em 2002, em South Bank (Londres), o painel ilustra uma pequena menina que perde o balão em formato de coração. Ao lado da ilustração, feita em preto e branco com apenas mais uma cor de destaque (o vermelho do coração), encontra-se uma frase disposta: "There is always hope". Feito em stencil, Girl with Balloon já foi replicado algumas vezes e é dos trabalhos de Banksy mais reconhecidos. 

2. Peaceful hearts doctor

Peaceful hearts doctor
Feito em Chinatown, São Francisco (EUA), o stencil segue a mesma linha de Girl with Balloon, com apenas três cores: o preto e o branco do médico em oposição ao vermelho do símbolo da paz e do coração que ele examina.

3. Kissing Coppers

Kissing policemen
Um dos mais controversos trabalhos de Banksy é Kissing Coppers, pintado em Brighton (Inglaterra). A imagem transparece o carinho entre dois policiais fardados que se beijam sem qualquer constrangimento. O trabalho foi vandalizado e recuperado algumas vezes até que o dono no bar onde a peça se encontrava resolveu vende-lo. O valor não foi oficialmente divulgado, mas supõe-se que seja entre meio milhão e um milhão de dólares. 

4. Soldier throwing flowers

Palestine
Banksy esteve na Palestina algumas vezes e em todas elas deixou trabalhos espalhados pelos muros. Acredita-se que a primeira ida do artista tenha sido em agosto de 2005, quando pintou trabalhos na barreira que divide Israel da Palestina. Soldier throwing flowers mostra um cidadão de rosto coberto atirando um ramo de flores, ao invés de um objeto de guerra.  
Dover, Brexit
ReinoUnido e a França, o bem humorado painel faz referência a saída da Inglaterra da União Europeia. O trabalhador, através de uma longa escada, sobe para apagar uma das estrelas da bandeira da comunidade europeia.   Unido e a França, o bem humorado painel faz referência a saída da Inglaterra da União Europeia. O trabalhador, através de uma longa escada, sobe para apagar uma das estrelas da bandeira da comunidade europeia.  

6. Shop Until You Drop 

Shop Until You Drop
Pintado em Londres, em 2011, o stencil está disposto na lateral de um prédio enorme e mostra uma mulher que fazia compras caindo. Já sem um sapato, os itens no carrinho também vão se dispersando com a queda. Banksy é conhecido pelo seu viés anti capitalista. 

7. Guantanamo Bay Prisioner

Guantanamo
Pintado no dia 18 de maio de 2007 no Exmouth Market, em Londres, o stencil lembrando os prisioneiros da prisão norte americana Guantanamo não foi o único ato de ativismo em relação ao tema.
No dia 8 de setembro de 2006, Banksy conseguiu que o seu assistente Thierry Guetta colocasse um boneco inflável vestido com o uniforme de Guantanamo dentro da atração Rocky Mountain Railroad, na Disneylândia de Orlando. 

8.  Sweep It Under The Carpet

Sweep at Hoxton
Feito em Hoxton, East London, em 2007, o painel mostra uma empregada jogando o lixo supostamente para debaixo da cortina. O divertido stencil dá a impressão ao espectador de que o muro estaria coberto por um pano branco.

9. Toxic rat

toxic rat
Banksy já pintou uma série de ratos ao redor do mundo, o da imagem foi realizado em Canden, Londres. Além dos ratos, o artista costuma pintar macacos.
Frequentemente os ratos são comparados a espécie humana porque se espalham e estão em todo lugar. Talvez as imagens mais icônicas de Bansky sejam os ratos anarquistas.

10. Steve Jobs

Steve Jobs at Sangatte
Pintado em Calais, no norte da França, onde está situado um campo de refugiados, Bansky retrata o CEO da Apple. O stencil lembra que Steve Jobs era filho de Abdulfattah John Jandali, um imigrante sírio. Embora o artista fale muito raramente em público, nesse caso se manifestou sobre o trabalho:
"Somos muitas vezes levados a acreditar que a migração drena os recursos de um país, mas Steve Jobs era filho de um imigrante sírio. A Apple é a empresa mais rentável do mundo, paga mais de 7 mil milhões de dólares por ano em impostos e só existe porque autorizaram a entrada a jovem de Homs."
Grosvenor
Pintado em outubro de 2010 na parede do Grosvenor Hotel em Belgrave Road, Londres. O trabalho aproveita parte do material que já lá estava (as grades de respiração) e é construído em diálogo com o espaço.

12. Thinker

Thinker
Disposta em Gaza, a peça é uma referência a clássica escultura O pensador, de Rodin. O trabalho foi realizado em 2014, após a guerra.
Essa não foi a primeira vez que Banksy esteve no território preocupado com a causa. Em agosto de 2005, nove imagens foram feitas na Palestina, a mais famosa delas talvez seja a imagem abaixo.

13. Stop and search

stop and search
Pintado em 2007 em Bethlehem, Palestina. O stencil de Banksy promove uma inversão de papéis: nele é a menina que encosta o soldado ao muro e o revista. Vale lembrar que o território escolhido pelo artista para intervir vive em permanente tensão entre judeus e árabes.

Características das obras de Banksy

Embora os trabalhos sejam muito diferentes uns dos outros, é possível encontrar alguns traços comuns. Os graffitis foram feitos em espaços públicos, geralmente de madrugada, sem autorização de nenhuma entidade governamental. 
Em geral carregam um forte cunho político, fazem uma crítica social e abordam questões da atualidade.
Banksy usa uma série de técnicas distintas embora a maior parte das suas obras seja feita em stencil.

Quem é Banksy? O que se sabe sobre a identidade do artista?

Banksy é conhecido pelos seus trabalhos de street art engajados. Até hoje não se conhece a identidade do artista, sabe-se, porém, a sua origem: nascido em Yate, na Inglaterra (embora Bristol o tenha arrebatado). Seus grafites começaram a aparecer em 1993, fazendo referência a sociedade contemporânea com forte viés revolucionário e anti guerra. 
“Os maiores crimes do mundo não são cometidos por pessoas que violam as regras, mas por pessoas que seguem as regras. São as pessoas que seguem ordens que soltam bombas e massacram aldeias.”
Banksy
 Sobre a exposição Barely Legal 


The elephant in the room
A mostra Barely Legal foi realizada na Califórnia entre os dias 15 e 17 de setembro de 2006.

Realizada na Califórnia em setembro de 2006, a exposição Barely Legal, de Banksy, foi gratuita e reuniu um número imenso de fãs em um galpão industrial.
A atração principal foi Elephant in the room (uma alusão a expressão "um elefante na sala de estar"). Em uma sala montada, um elefante de 37 anos foi pintado e exibido.

Documentários sobre o trabalho de Banksy

Uma das maiores rivalidades no mundo do graffiti se deu entre Robbo e Banksy.
O duelo foi tão importante para o universo da arte de rua que um documentário foi feito em homenagem a essa rixa:
Talvez o filme mais famoso sobre a temática Banksy tenha sido o Exit through the gift shop. O protagonista da história é Thierry Guetta, um sujeito que tinha por hobby filmar o trabalho dos grafiteiros na rua com o intuito de criar um documentário. O destino de Guetta mudou completamente quando ele conheceu Bansky.


Pouco ou nada se sabe sobre o misterioso inglês Banksy, há quem diga, inclusive, que se trata de um grupo de pessoas. O que se sabe é que os polêmicos trabalhos aparecem ao redor do mundo e encantam ou revoltam aqueles que passam: ninguém passa incólume a essa arte de rua. 
Os trabalhos de Banksy podem ser encontrados na Inglaterra, na França, em Viena, em São Francisco, em Barcelona, nos Estados Unidos, na Austrália e até na Faixa de Gaza. 

Os 13 trabalhos de Bansky que você precisa conhecer

Irônico, controverso, sarcástico, rebelde, irreverente, as obras de Banksy são feitas na rua e para a rua, tem como público alvo os transeuntes. Como a maior parte das peças está em espaços públicos, o trabalho é sujeito a perenidade do tempo e ao vandalismo. 
"A arte deve confortar o perturbado e perturbar o confortável."
Banksy
Vamos descobrir as treze obras mais famosas desse gênio da arte de rua:

1. Girl with Balloon

girl balloon
Criado em 2002, em South Bank (Londres), o painel ilustra uma pequena menina que perde o balão em formato de coração. Ao lado da ilustração, feita em preto e branco com apenas mais uma cor de destaque (o vermelho do coração), encontra-se uma frase disposta: "There is always hope". Feito em stencil, Girl with Balloon já foi replicado algumas vezes e é dos trabalhos de Banksy mais reconhecidos. 

2. Peaceful hearts doctor

Peaceful hearts doctor
Feito em Chinatown, São Francisco (EUA), o stencil segue a mesma linha de Girl with Balloon, com apenas três cores: o preto e o branco do médico em oposição ao vermelho do símbolo da paz e do coração que ele examina.

3. Kissing Coppers

Kissing policemen
Um dos mais controversos trabalhos de Banksy é Kissing Coppers, pintado em Brighton (Inglaterra). A imagem transparece o carinho entre dois policiais fardados que se beijam sem qualquer constrangimento. O trabalho foi vandalizado e recuperado algumas vezes até que o dono no bar onde a peça se encontrava resolveu vende-lo. O valor não foi oficialmente divulgado, mas supõe-se que seja entre meio milhão e um milhão de dólares. 

4. Soldier throwing flowers

Palestine
Banksy esteve na Palestina algumas vezes e em todas elas deixou trabalhos espalhados pelos muros. Acredita-se que a primeira ida do artista tenha sido em agosto de 2005, quando pintou trabalhos na barreira que divide Israel da Palestina. Soldier throwing flowers mostra um cidadão de rosto coberto atirando um ramo de flores, ao invés de um objeto de guerra.  

5. Brexit

Dover, Brexit
Pintado em Dover, em um porto que liga o Reino Unido e a França, o bem humorado painel faz referência a saída da Inglaterra da União Europeia. O trabalhador, através de uma longa escada, sobe para apagar uma das estrelas da bandeira da comunidade europeia.  

6. Shop Until You Drop 

Shop Until You Drop
Pintado em Londres, em 2011, o stencil está disposto na lateral de um prédio enorme e mostra uma mulher que fazia compras caindo. Já sem um sapato, os itens no carrinho também vão se dispersando com a queda. Banksy é conhecido pelo seu viés anti capitalista. 

7. Guantanamo Bay Prisioner

Guantanamo
Pintado no dia 18 de maio de 2007 no Exmouth Market, em Londres, o stencil lembrando os prisioneiros da prisão norte americana Guantanamo não foi o único ato de ativismo em relação ao tema.
No dia 8 de setembro de 2006, Banksy conseguiu que o seu assistente Thierry Guetta colocasse um boneco inflável vestido com o uniforme de Guantanamo dentro da atração Rocky Mountain Railroad, na Disneylândia de Orlando. 

8.  Sweep It Under The Carpet

Sweep at Hoxton
Feito em Hoxton, East London, em 2007, o painel mostra uma empregada jogando o lixo supostamente para debaixo da cortina. O divertido stencil dá a impressão ao espectador de que o muro estaria coberto por um pano branco.

9. Toxic rat

toxic rat
Banksy já pintou uma série de ratos ao redor do mundo, o da imagem foi realizado em Canden, Londres. Além dos ratos, o artista costuma pintar macacos.
Frequentemente os ratos são comparados a espécie humana porque se espalham e estão em todo lugar. Talvez as imagens mais icônicas de Bansky sejam os ratos anarquistas.

10. Steve Jobs

Steve Jobs at Sangatte
Pintado em Calais, no norte da França, onde está situado um campo de refugiados, Bansky retrata o CEO da Apple. O stencil lembra que Steve Jobs era filho de Abdulfattah John Jandali, um imigrante sírio. Embora o artista fale muito raramente em público, nesse caso se manifestou sobre o trabalho:
"Somos muitas vezes levados a acreditar que a migração drena os recursos de um país, mas Steve Jobs era filho de um imigrante sírio. A Apple é a empresa mais rentável do mundo, paga mais de 7 mil milhões de dólares por ano em impostos e só existe porque autorizaram a entrada a jovem de Homs."

11. Grosvenor

Grosvenor
Pintado em outubro de 2010 na parede do Grosvenor Hotel em Belgrave Road, Londres. O trabalho aproveita parte do material que já lá estava (as grades de respiração) e é construído em diálogo com o espaço.

12. Thinker

Thinker
Disposta em Gaza, a peça é uma referência a clássica escultura O pensador, de Rodin. O trabalho foi realizado em 2014, após a guerra.
Essa não foi a primeira vez que Banksy esteve no território preocupado com a causa. Em agosto de 2005, nove imagens foram feitas na Palestina, a mais famosa delas talvez seja a imagem abaixo.

13. Stop and search

stop and search
Pintado em 2007 em Bethlehem, Palestina. O stencil de Banksy promove uma inversão de papéis: nele é a menina que encosta o soldado ao muro e o revista. Vale lembrar que o território escolhido pelo artista para intervir vive em permanente tensão entre judeus e árabes.

Características das obras de Banksy

Embora os trabalhos sejam muito diferentes uns dos outros, é possível encontrar alguns traços comuns. Os graffitis foram feitos em espaços públicos, geralmente de madrugada, sem autorização de nenhuma entidade governamental. 
Em geral carregam um forte cunho político, fazem uma crítica social e abordam questões da atualidade.
Banksy usa uma série de técnicas distintas embora a maior parte das suas obras seja feita em stencil.

Quem é Banksy? O que se sabe sobre a identidade do artista?

Banksy é conhecido pelos seus trabalhos de street art engajados. Até hoje não se conhece a identidade do artista, sabe-se, porém, a sua origem: nascido em Yate, na Inglaterra (embora Bristol o tenha arrebatado). Seus grafites começaram a aparecer em 1993, fazendo referência a sociedade contemporânea com forte viés revolucionário e anti guerra. 
“Os maiores crimes do mundo não são cometidos por pessoas que violam as regras, mas por pessoas que seguem as regras. São as pessoas que seguem ordens que soltam bombas e massacram aldeias.”
Banksy
As obras são instalações ou pinturas feitas através de stencil, muitas vezes com frases escritas. Os lugares onde as peças são feitas também são fundamentais para a compreensão da criação. 
Banksy não está no facebook, no twitter ou em qualquer rede social e não é representado por nenhuma galeria. Os trabalhos nunca são assinados. 
Há quem diga que o seu nome verdadeiro é Robin ou Robert Banks, mas essa é apenas uma suposição. Outras pessoas suspeitam que a identidade verdadeira do artista seja Robin Gunningham. Há ainda a tese que Bansky seja Robert Del Naja, vocalista do grupo de música eletrônica Massive Attack.

Sobre a exposição Barely Legal 



The elephant in the room
A mostra Barely Legal foi realizada na Califórnia entre os dias 15 e 17 de setembro de 2006.

Realizada na Califórnia em setembro de 2006, a exposição Barely Legal, de Banksy, foi gratuita e reuniu um número imenso de fãs em um galpão industrial.
A atração principal foi Elephant in the room (uma alusão a expressão "um elefante na sala de estar"). Em uma sala montada, um elefante de 37 anos foi pintado e exibido.

Documentários sobre o trabalho de Banksy

Uma das maiores rivalidades no mundo do graffiti se deu entre Robbo e Banksy.
O duelo foi tão importante para o universo da arte de rua que um documentário foi feito em homenagem a essa rixa:
Talvez o filme mais famoso sobre a temática Banksy tenha sido o Exit through the gift shop. O protagonista da história é Thierry Guetta, um sujeito que tinha por hobby filmar o trabalho dos grafiteiros na rua com o intuito de criar um documentário. O destino de Guetta mudou completamente quando ele conheceu Bansky.

Pouco ou nada se sabe sobre o misterioso inglês Banksy, há quem diga, inclusive, que se trata de um grupo de pessoas. O que se sabe é que os polêmicos trabalhos aparecem ao redor do mundo e encantam ou revoltam aqueles que passam: ninguém passa incólume a essa arte de rua. 
Os trabalhos de Banksy podem ser encontrados na Inglaterra, na França, em Viena, em São Francisco, em Barcelona, nos Estados Unidos, na Austrália e até na Faixa de Gaza. 

Os 13 trabalhos de Bansky que você precisa conhecer

Irônico, controverso, sarcástico, rebelde, irreverente, as obras de Banksy são feitas na rua e para a rua, tem como público alvo os transeuntes. Como a maior parte das peças está em espaços públicos, o trabalho é sujeito a perenidade do tempo e ao vandalismo. 
"A arte deve confortar o perturbado e perturbar o confortável."
Banksy
Vamos descobrir as treze obras mais famosas desse gênio da arte de rua:

1. Girl with Balloon

girl balloon
Criado em 2002, em South Bank (Londres), o painel ilustra uma pequena menina que perde o balão em formato de coração. Ao lado da ilustração, feita em preto e branco com apenas mais uma cor de destaque (o vermelho do coração), encontra-se uma frase disposta: "There is always hope". Feito em stencil, Girl with Balloon já foi replicado algumas vezes e é dos trabalhos de Banksy mais reconhecidos. 

2. Peaceful hearts doctor

Peaceful hearts doctor
Feito em Chinatown, São Francisco (EUA), o stencil segue a mesma linha de Girl with Balloon, com apenas três cores: o preto e o branco do médico em oposição ao vermelho do símbolo da paz e do coração que ele examina.

3. Kissing Coppers

Kissing policemen
Um dos mais controversos trabalhos de Banksy é Kissing Coppers, pintado em Brighton (Inglaterra). A imagem transparece o carinho entre dois policiais fardados que se beijam sem qualquer constrangimento. O trabalho foi vandalizado e recuperado algumas vezes até que o dono no bar onde a peça se encontrava resolveu vende-lo. O valor não foi oficialmente divulgado, mas supõe-se que seja entre meio milhão e um milhão de dólares. 

4. Soldier throwing flowers

Palestine
Banksy esteve na Palestina algumas vezes e em todas elas deixou trabalhos espalhados pelos muros. Acredita-se que a primeira ida do artista tenha sido em agosto de 2005, quando pintou trabalhos na barreira que divide Israel da Palestina. Soldier throwing flowers mostra um cidadão de rosto coberto atirando um ramo de flores, ao invés de um objeto de guerra.  

5. Brexit

Dover, Brexit
Pintado em Dover, em um porto que liga o Reino Unido e a França, o bem humorado painel faz referência a saída da Inglaterra da União Europeia. O trabalhador, através de uma longa escada, sobe para apagar uma das estrelas da bandeira da comunidade europeia.  

6. Shop Until You Drop 

Shop Until You Drop
Pintado em Londres, em 2011, o stencil está disposto na lateral de um prédio enorme e mostra uma mulher que fazia compras caindo. Já sem um sapato, os itens no carrinho também vão se dispersando com a queda. Banksy é conhecido pelo seu viés anti capitalista. 

7. Guantanamo Bay Prisioner

Guantanamo
Pintado no dia 18 de maio de 2007 no Exmouth Market, em Londres, o stencil lembrando os prisioneiros da prisão norte americana Guantanamo não foi o único ato de ativismo em relação ao tema.
No dia 8 de setembro de 2006, Banksy conseguiu que o seu assistente Thierry Guetta colocasse um boneco inflável vestido com o uniforme de Guantanamo dentro da atração Rocky Mountain Railroad, na Disneylândia de Orlando. 

8.  Sweep It Under The Carpet

Sweep at Hoxton
Feito em Hoxton, East London, em 2007, o painel mostra uma empregada jogando o lixo supostamente para debaixo da cortina. O divertido stencil dá a impressão ao espectador de que o muro estaria coberto por um pano branco.

9. Toxic rat

toxic rat
Banksy já pintou uma série de ratos ao redor do mundo, o da imagem foi realizado em Canden, Londres. Além dos ratos, o artista costuma pintar macacos.
Frequentemente os ratos são comparados a espécie humana porque se espalham e estão em todo lugar. Talvez as imagens mais icônicas de Bansky sejam os ratos anarquistas.

10. Steve Jobs

Steve Jobs at Sangatte
Pintado em Calais, no norte da França, onde está situado um campo de refugiados, Bansky retrata o CEO da Apple. O stencil lembra que Steve Jobs era filho de Abdulfattah John Jandali, um imigrante sírio. Embora o artista fale muito raramente em público, nesse caso se manifestou sobre o trabalho:
"Somos muitas vezes levados a acreditar que a migração drena os recursos de um país, mas Steve Jobs era filho de um imigrante sírio. A Apple é a empresa mais rentável do mundo, paga mais de 7 mil milhões de dólares por ano em impostos e só existe porque autorizaram a entrada a jovem de Homs."

11. Grosvenor

Grosvenor
Pintado em outubro de 2010 na parede do Grosvenor Hotel em Belgrave Road, Londres. O trabalho aproveita parte do material que já lá estava (as grades de respiração) e é construído em diálogo com o espaço.

12. Thinker

Thinker
Disposta em Gaza, a peça é uma referência a clássica escultura O pensador, de Rodin. O trabalho foi realizado em 2014, após a guerra.
Essa não foi a primeira vez que Banksy esteve no território preocupado com a causa. Em agosto de 2005, nove imagens foram feitas na Palestina, a mais famosa delas talvez seja a imagem abaixo.

13. Stop and search

stop and search
Pintado em 2007 em Bethlehem, Palestina. O stencil de Banksy promove uma inversão de papéis: nele é a menina que encosta o soldado ao muro e o revista. Vale lembrar que o território escolhido pelo artista para intervir vive em permanente tensão entre judeus e árabes.

Características das obras de Banksy

Embora os trabalhos sejam muito diferentes uns dos outros, é possível encontrar alguns traços comuns. Os graffitis foram feitos em espaços públicos, geralmente de madrugada, sem autorização de nenhuma entidade governamental. 
Em geral carregam um forte cunho político, fazem uma crítica social e abordam questões da atualidade.
Banksy usa uma série de técnicas distintas embora a maior parte das suas obras seja feita em stencil.

Quem é Banksy? O que se sabe sobre a identidade do artista?

Banksy é conhecido pelos seus trabalhos de street art engajados. Até hoje não se conhece a identidade do artista, sabe-se, porém, a sua origem: nascido em Yate, na Inglaterra (embora Bristol o tenha arrebatado). Seus grafites começaram a aparecer em 1993, fazendo referência a sociedade contemporânea com forte viés revolucionário e anti guerra. 
“Os maiores crimes do mundo não são cometidos por pessoas que violam as regras, mas por pessoas que seguem as regras. São as pessoas que seguem ordens que soltam bombas e massacram aldeias.”
Banksy
As obras são instalações ou pinturas feitas através de stencil, muitas vezes com frases escritas. Os lugares onde as peças são feitas também são fundamentais para a compreensão da criação. 
Banksy não está no facebook, no twitter ou em qualquer rede social e não é representado por nenhuma galeria. Os trabalhos nunca são assinados. 
Há quem diga que o seu nome verdadeiro é Robin ou Robert Banks, mas essa é apenas uma suposição. Outras pessoas suspeitam que a identidade verdadeira do artista seja Robin Gunningham. Há ainda a tese que Bansky seja Robert Del Naja, vocalista do grupo de música eletrônica Massive Attack.

Sobre a exposição Barely Legal 



The elephant in the room
A mostra Barely Legal foi realizada na Califórnia entre os dias 15 e 17 de setembro de 2006.

Realizada na Califórnia em setembro de 2006, a exposição Barely Legal, de Banksy, foi gratuita e reuniu um número imenso de fãs em um galpão industrial.
A atração principal foi Elephant in the room (uma alusão a expressão "um elefante na sala de estar"). Em uma sala montada, um elefante de 37 anos foi pintado e exibido.

Documentários sobre o trabalho de Banksy

Uma das maiores rivalidades no mundo do graffiti se deu entre Robbo e Banksy.
O duelo foi tão importante para o universo da arte de rua que um documentário foi feito em homenagem a essa rixa:
Talvez o filme mais famoso sobre a temática Banksy tenha sido o Exit through the gift shop. O protagonista da história é Thierry Guetta, um sujeito que tinha por hobby filmar o trabalho dos grafiteiros na rua com o intuito de criar um documentário. O destino de Guetta mudou completamente quando ele conheceu Bansky.

 *************************************