sexta-feira, 9 de outubro de 2015

John Lennon- 75 anos

Texto publicado no  Diário de Pernambuco ontem, 9/10/2015

"A trajetória de John Winston Ono Lennon, uma das figuras mais ricas, controversas e influentes que a humanidade já conheceu, foi interrompida em 8 de dezembro de 1980 por quatro tiros disparados por Mark David Chapman, suposto fã do ex-beatle. A tragédia que tirou a vida do artista fez com que milhares de fãs usassem um trecho de uma de suas músicas para expressar o sentimento de desolação e desesperança com o ocorrido: The dream is over (O sonho acabou), da música God, presente no trabalho John Lennon/Plastic Ono Band, o primeiro após o rompimento de sua banda mais famosa.'


                                           Estaria ele assim aos 75 ?
  
"Sentimentos foram reforçados pela própria trajetória do artista. Nascido em 9 de outubro de 1940, em Liverpool, John foi criado pela sua tia Mimi, após ser abandonado pelo pai e ter uma tumultuada relação com a mãe, Julia, morta em um momento em que tentava se reaproximar do filho. O sucesso com os Beatles não foi suficiente para adoçar uma personalidade que poderia ser tão amável quanto violenta e cruel em momentos. As dúvidas em relação ao próprio talento e vocação, acredite, só começaram a se dissipar quando Lennon e a companheira, Yoko Ono, começaram a assumir uma postura ativa pela paz e pela tolerância, e construíram uma família, em Nova York, com o nascimento do filho Sean.

Além da morte trágica justamente neste momento pacífico e bem-resolvido, a perda de uma figura tão importante para tantas pessoas motiva exercício de imaginação sobre como seria a vida daquele mito pop hoje em dia. No caso de John Lennon, que completaria 75 anos nesta sexta-feira (9/10), esse exercício é facilitado — e ganha legitimidade — pela participação de Philip Norman, um dos mais renomados biógrafos dos Beatles e de John Lennon, autor dos livros Shout: The Beatles in their generation e John Lennon: the life.

Em entrevista exclusiva ao Correio, Norman falou sobre os relacionamentos que definiram a vida de John. Visto que Paul McCartney continua a pleno vapor, gravando discos e saindo em grandes turnês, o escritor analisou a velha competitividade entre os velhos parceiros.

Philip Norman foi enfático ao afirmar que o artista continuaria lutando pela paz e pela tolerância, como fez em 1969, ao, por exemplo, devolver a medalha de Membro do Império Britânico (MBE, em inglês), devido ao apoio da Inglaterra à Guerra do Vietnã, ou os icônicos protestos pacíficos com Yoko em Montreal e Amsterdã.

Três perguntas >> Philip Norman

John e Paul eram muito amigos, mas a relação deles também era definida pela competição. Você acredita que John, aos 75 anos, tentaria acompanhar o nível de produção musical que Paul apresenta até hoje?De fato, havia muita competição entre eles. Até após a morte de John, Paul já admitiu que se sentiu incomodado com o status de mártir de John e até tentou mudar os créditos das canções de Lennon/McCartney para McCartney/Lennon. Mas, respondendo sua pergunta, sim, apesar de no fim da vida John estar vivendo uma existência mais doméstica, acredito que, devido à paixão dele pelo trabalho, ele seria uma força criativa nos dias de hoje.

John também era um grande ativista. Quais causas você acredita que ele defenderia com mais paixão nos dias de hoje?É difícil apontar uma coisa só. Uma das características mais louváveis da personalidade de John Lennon era de que ele falava com muita sinceridade e acrditava fielmente em todas as causas que defendia. Acho que a questão do Oriente Médio é algo com que ele se envolveria e seria bem ativo.

Caso John tivesse sobrevivido, quais as chances de uma reunião dos Beatles ter acontecido?Eles estavam considerando isso nos anos 1970 e quase aconteceu, só faltou todos concordarem com a parte burocrática e financeira. Devido à pressão que eles teriam de enfrentar, acredito que uma reunião eventual seria inevitável".


***********************

"A trajetória de John Winston Ono Lennon, uma das figuras mais ricas, controversas e influentes que a humanidade já conheceu, foi interrompida em 8 de dezembro de 1980 por quatro tiros disparados por Mark David Chapman, suposto fã do ex-beatle. A tragédia que tirou a vida do artista fez com que milhares de fãs usassem um trecho de uma de suas músicas para expressar o sentimento de desolação e desesperança com o ocorrido: The dream is over
  *****************
 Nascido em 9 de outubro de 1940, em Liverpool, John foi criado pela sua tia Mimi, após ser abandonado pelo pai e ter uma tumultuada relação com a mãe, Julia, morta em um momento em que tentava se reaproximar do filho. 
O sucesso com os Beatles não foi suficiente para adoçar uma personalidade que poderia ser tão amável quanto violenta e cruel em momentos. 

As dúvidas em relação ao próprio talento e vocação, acredite, só começaram a se dissipar quando Lennon e a companheira, Yoko Ono, começaram a assumir uma postura ativa pela paz e pela tolerância, e construíram uma família, em Nova York, com o nascimento do filho Sean.

Além da morte trágica justamente neste momento pacífico e bem-resolvido, a perda de uma figura tão importante para tantas pessoas motiva exercício de imaginação sobre como seria a vida daquele mito pop hoje em dia. 

No caso de John Lennon, que completaria 75 anos nesta sexta-feira (9/10), esse exercício é facilitado — e ganha legitimidade — pela participação de Philip Norman, um dos mais renomados biógrafos dos Beatles e de John Lennon, autor dos livros Shout: The Beatles in their generation e John Lennon: the life.

**********************************************************************

Philip Norman foi enfático ao afirmar que o artista continuaria lutando pela paz e pela tolerância, como fez em 1969, ao, por exemplo, devolver a medalha de Membro do Império Britânico (MBE, em inglês), devido ao apoio da Inglaterra à Guerra do Vietnã, ou os icônicos protestos pacíficos com Yoko em Montreal e Amsterdã.

Três perguntas >> Philip Norman

John e Paul eram muito amigos, mas a relação deles também era definida pela competição. Você acredita que John, aos 75 anos, tentaria acompanhar o nível de produção musical que Paul apresenta até hoje?De fato, havia muita competição entre eles. Até após a morte de John, Paul já admitiu que se sentiu incomodado com o status de mártir de John e até tentou mudar os créditos das canções de Lennon/McCartney para McCartney/Lennon. Mas, respondendo sua pergunta, sim, apesar de no fim da vida John estar vivendo uma existência mais doméstica, acredito que, devido à paixão dele pelo trabalho, ele seria uma força criativa nos dias de hoje.

John também era um grande ativista. Quais causas você acredita que ele defenderia com mais paixão nos dias de hoje?É difícil apontar uma coisa só. Uma das características mais louváveis da personalidade de John Lennon era de que ele falava com muita sinceridade e acrditava fielmente em todas as causas que defendia. Acho que a questão do Oriente Médio é algo com que ele se envolveria e seria bem ativo.

Caso John tivesse sobrevivido, quais as chances de uma reunião dos Beatles ter acontecido?Eles estavam considerando isso nos anos 1970 e quase aconteceu, só faltou todos concordarem com a parte burocrática e financeira. Devido à pressão que eles teriam de enfrentar, acredito que uma reunião eventual seria inevitável
."


********************************************

Nenhum comentário: