domingo, 28 de junho de 2009

Sessenta anos da publicação de "O segundo sexo"


Manifestações em Teerã:Mulheres exibem fotos de Simone de Beauvoir e pedem direitos iguais.     

                     (28 de junho,2009)
Este ano ,o Prêmio Simone de Beauvoir pela Liberdade das Mulheres, no valor de 30 mil euros,foi para a campanha iraniana "Um milhão de assinaturas", que pede o fim das leis  discriminatórias contra as mulheres naquele pais. O prêmio foi instituído no centenário de nascimento de Simone( 9 de janeiro de 2008) e se destina a  pessoas ou instituições que,inspirados no ícone do século XX,tenham contribuído para a liberdade feminina em qualquer local do mundo.
"O pensamento de Simone de Beauvoir ainda é muito inquietante e desafiador.A mulher de hoje não é mais aquela dos anos 40,mas ainda traz resquícios",comenta  Fernanda Montenegro,que interpreta textos de Simone na peça "Viver sem tempos mortos",atualmente em cartaz em São Paulo.
Atenção,meus conterrâneos cariocas e turistas:poderemos vê-la em agosto no espaço Oi Futuro (Rua Dois de Dezembro,63-Flamengo )
A mídia internacional exibe,neste final de semana, fotos de belas mulheres iranianas (como a  da já  considerada mártir e símbolo Neda Agha Soltan) carregando cartazes com imagens de Simone de Beauvoir( na foto, no Café Aux deux Magots ) e pedindo justiça e igualdade.
 Percebam a mensagem subliminar  das iranianas  da foto abaixo,pedindo o sacratíssimo direito de liberdade de pensamento e ação (aliás...,nem tanto,salta aos olhos o desejo de emancipação) A famosa declaração da escritora francesa : "não se nasce mulher, torna-se mulher", está mais moderna do que nunca  

A editora Nova Fronteira relançou "O segundo sexo" e as demais obras da filósofa francesa,como parte das comemorações do aniversário  de 60 anos da publicação do livro. Simone trabalhou no jornal de esquerda Libération e na Radio-Vichy, onde produziu programas sobre a música através dos tempos.

Publicou "O segundo sexo", em 1949. Com esta obra tornou -se ícone do movimento feminista, nas décadas de 60 e 70.Traduzido em 40 idiomas os dois tomos venderam - e ainda vendem - milhões de exemplares.
Alguns capítulos que expunham a sexualidade feminina escandalizaram a sociedade tradicional e provocaram polêmicas, discussões e cisões entre a intelectualidade mundial.


Em 1954,Simone recebeu o Prêmio Goncourt (espécie de Nobel literário francês) por "Os mandarins" e se fixou na posição de "autor francês mais lido no Ocidente".
Morreu em Paris, em 14 de abril de 1986.
*********************************************************************

Nenhum comentário: