quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Amy Adams será Janis Joplin no cinema



"Amy Adams está confirmadíssima para interpretar a lendária Janis Joplin em um filme especialmente dedicado à vida da cantora. O  longa vai se chamar "Get It While You Can" e já tem a atriz escalada para o papel há alguns anos.
A direção deve ficar por conta de Jean-Marc Vallée,  responsável  por "Clube de Compras Dallas" (2013), cujos roteiristas Craig Borten e Melissa Wallack também estão sendo cotados para assinar o argumento do novo filme.
O longa tem o início das filmagens agendado para meados de 2015"  

(divulgação)

*************************************




“Quanto mais você vive, menos você morre.”

A linha da vida de Janis Joplin, mulher forte e corajosa que surgiu na cena musical na segunda metade da década de 60 com o sucesso “Piece Of My Heart” e vocalista da banda “Big Brother and The Holding Company,” ,desmente uma de suas declarações mais conhecidas.
Viveu com muita ousadia e morreu bem cedo.

Verificar ortografia

Chegou ao mundo no momento marcado por fatos históricos muito importantes : a virada do ano de 1943, quando os alemães controlavam quase toda a Europa, o norte de África e o Atlântico Norte.


Na primeira infância, o pós-guerra, a sombra dos 50 milhões de mortes, os fornos crematórios nos campos de concentração, a pesquisas de armas bacteriológicas dos japoneses, a bomba atômica norte-americana, a espionagem e contra-espionagem de todos os países envolvidos na guerra. 


Há em tudo a presença marcante da indústria bélica, de cientistas e do dinheiro.
Na adolescência, a guerra fria entre Estados Unidos e a então União Soviética, o Movimento dos Direitos Civis para os Negros, entre 1955 e 1968, visando a abolir a discriminação e a segregação racial no EUA.

E na idade adulta, Janis encarou os subprodutos sociais trazidos pela guerra do Vietnã, pelo assassinato dos irmãos Kennedy - John e Bob - e o de Martin Luther King e ainda a loucura desenfreada da “Família Manson”, que trucidou a atriz Sharon Tate (grávida do diretorRoman Polansky) e amigos que estavam com ela em sua casa.
Toda essa montanha russa social calou fundo na geração de Janis.
Não é à toa que vários de seus companheiros se foram, na cauda do cometa das drogas.
  

Conhecida como primeira mulher superstar do rock, 44 anos após seu desaparecimento ,é lembrada como melhor cantora branca de blues e a mais incendiária e performática das artistas e pela tumultuada vida amorosa.
*******
Janis Lyn Joplin

Nascida em 19 de Janeiro 1943 no St Mary's Hospital, em Port Arthur,Texas. 

Filha de Dorothy,
professora numa Escola Dominical protestante e 
Set Joplin,engenheiro da Texaco.
Irmã de Laura e Michael.

Estudou na Thomas Jefferson High School em Port Arthur (turma de 1960), onde sua habilidade para a pintura foi notada.
Ali cantava, imitando Bessie Smith e Odetta, para seus colegas e amigos mais próximos. Descontente com os valores da América tradicional, começou a militar a favor dos direitos dos negros.

Na Universidade do Texas, em Austin, a breve passagem foi marcada por muitas e indescritíveis humilhações, jamais esquecidas.
Fugiu de casa nesse momento.
No auge da fama e da glória, voltou e participou de reunião de antigos alunos para exorcizar o fantasma do que hoje seria chamado de bullying.

Carreira

Cresceu ouvindo em casa músicos de blues e cantou no coral de Port Arthur, em clubes deHouston e de outras cidades das redondezas.
Percorreu o circuito folk texano e depois houve a mudança para San Francisco.
Ali começou a cantar na mesma noite em que chegou.
Em seguida, viveu em Nova York.

Fez apresentações no Madison Square Garden, depois em Paris, Londres, no histórico evento de Woodstock, e no estádio de Harvard.
Participou de algumas emissões do Ed Sullivan Show, então o programa de maior audiência na TV americana.
Rebelde e liberada quando o movimento feminista mal tinha começado, acrescentou ao perfil de cantora de blues a influência de seus ídolos da geração Beat.

Não era de relacionamentos duradouros, mas teve “ficagens” marcantes: Jim MorrisonJimiHendrix, Leonard Cohen (a quem inspirou a canção Chelsea Hotel No.2), Country JoeMcDonaldKris KristoffersonEric Clapton e algumas moças.

1966 - De novo em San Francisco,juntou-se ao Big Brother and The Holding Company, grupo muito popular entre a comunidade hippie. Assinado um contrato com o seloMainstream Records. o grupo grava seu primeiro álbum e vai ao Festival de Monterey.

Ali aconteceu uma performance vocal excepcional de Janis. Diante de 70 mil pessoas, Janisinterpreta “Ball and Chain” de Big Mama Thornton e entra, definitivamente, para a glória.

Separada da banda,forma novo grupo (1969).
Neste mesmo ano participa do Festival de Woodsock. Nova separação, nova banda: Full Tilt Boogie Band.

JANIS NO BRASIL
(Fonte Wikipedia)


Janis Joplin esteve no Brasil em fevereiro de 1970.
Durante a sua estada, fez topless emCopacabana, bebeu muito, cantou em um bordel, foi expulsa do Hotel Copacabana Palacepor nadar nua na piscina e quase foi presa, pelas suas atitudes na praia, consideradas "fora do normal”
Como era época de carnaval, tentou participar de um desfile de escola de samba, porém teve acesso negado por um segurança que desconfiou de sua vestimenta hippie. Especula-se que ela teve uma breve relação amorosa com o roqueiro brasileiro Serguei

Morte


Aos 27 anos, em de outubro de 1970, durante a gravação do álbum Pearl com aFull Tilt Boogie Band.



Como  consumiu drogas que estavam muito mais puras que o normal, sem saber tomou uma overdose num dos quartos do Landmark Motor Hotel em Los Angeles.


Cremada, a cantora do sofrimento e da perda que transformou o mundo do rock –então dominado por homens - teve suas cinzas espargidas em alto mar, na costa da Califórnia.

Em 1979, Bete Midler foi a estrela do filme “A Rosa”, no papel de uma mulher extremamente parecida com Janis.


Em 1995, aquela que foi eleita “ O Homem mais feio do ano” pelos colegas da Universidade do Texas, ganhou seu lugar no Hall da Fama do Rock and Roll.

Em 2004, arevista RollingStone a considerou uma das cem 
maiores cantoras de todos os tempos.

Nenhum comentário: