sábado, 30 de janeiro de 2010

Joaquim Nabuco e Eufrásia Teixeira Leite, amor impossível



2010, o Ano Nacional Joaquim Nabuco

"Em 15 de junho de 2009 foi promulgada a Lei Federal nº 11. 946, que instituiu o ano de 2010 como Ano Nacional Joaquim Nabuco, tendo como referência o centenário de morte do pensador, escritor, diplomata, político e abolicionista pernambucano Joaquim Aurélio Barreto Nabuco de Araújo.

"Apresenta-se para a nação brasileira a oportunidade de colocar em debate a importância histórica de Joaquim Nabuco e a atualidade das suas ideias, considerando a abrangência, a profundidade e a multiplicidade da sua atuação política e da sua produção intelectual nas esferas da ação parlamentar, da mobilização civil, do jornalismo, da diplomacia, da historiografia e da literatura.
Revelando o alcance social do seu pensamento, Joaquim Nabuco, que foi um dos principais mentores do abolicionismo, advertia, quatro anos antes abolição da escravatura no Brasil, para a necessidade de associar “a emancipação dos escravos e a democratização do solo”, acrescentando que “acabar com a escravidão não nos basta, é preciso destruir a obra da escravidão.”
(fonte: site da Fundação Joaquim Nabuco)

Eufrásia Teixeira Leite,de Vassouras,RJ.
O amor secreto de Nabuco

Eufrasia


A historiadora Claudia Lage é autora de Mundos de Eufrásia, editado pela Record em 2009, que conta, em forma de romance, a história do amor impossível e entre o abolicionista Joaquim Nabuco e a socialite.amiga íntima da Princesa Isabel,investidora financeira/benemérita Eufrásia Teixeira Leite,natural de Vassouras,Rj.
Eufrásia,nascida em 1850, era filha de. Joaquim Teixeira Leite (filho do Barão de Itambé) e de sua esposa .
Ana Esmeria Correa e Castro (filha do Barão do Campo Belo) e sobrinha do Barão de Vassouras.

Foi e continua sendo o vulto feminino mais famoso da cidade e sua influência ali está em toda parte.


"O círculo que protege e aperta"


Ambos solteiros, ela bilionária,ele com situação estável.,mas poderia receber ajuda da namorada nas eventuais dificuldades. Por que a impossibilidade?Eufrásia que tinha talento fora do comum para administrar e multiplicar a fortuna da família ,fez uma promessa ao pai no leito de morte de jamais se casar. Era uma mulher a frente de seu momento, emancipada financeiramente em pleno Brasil Colonial.

A fortuna dos Teixeira Leite era o equivalente-na época-a a 1,85 tonelada de ouro.

Outras biógrafos informam que era cerca de 0,5 do PIB do Brasil naquele momento.
Esta fábula foi doada,em testamento, a instituições assistenciais e educacionais com condição de manterem conservada a Casa da Hera,residência da família onde nasceram Eufrásia,a irmã Francisca e o primogênito falecido ainda bebê.
Nabuco e Eufrásia,que se conheceram meninos,voltaram a se encontrar num navio, a caminho da Europa, em 1873.

Ao chegarem `a França,o namorado escreveu ao pai,pedindo que enviasse os documentos para o casamento,que nunca aconteceu. O romance durou 14 anos, entre idas e vindas, que se transformaram em desencontros ,brigas e reconciliações.

Convencido de que não realizaria mesmo seu amor com Eufrásia, Nabuco “velhíssimo” para os padrões da época,se casou aos 39 anos com a jovem Evelina Torres Soares Ribeiro, rica,dócil e completamente diferente de Eufrásia,junto com a qual depois da abolição, dedicou-se `a religião e voltou para a diplomacia.

"Minha mulher e meus filhos formam o círculo dentro do qual sou intangível. Quanto mais esse círculo nos protege, mais nos aperta",escreveu numa carta
A Casa da Hera

Convidado por Rio Branco,Nabuco relutou um pouco em deixar o cargo de Ministro na legação em Londres,mas com a criação da primeira embaixada brasileira em Washington em 1905, compreendeu a necessidade de aproximação com os Estados Unidos,continuando a politica externa da República recém proclamada (1889).
*********
Eu casei numa família vassourense e os avós de meu marido foram contemporâneos de Eufrasia ,que voltou ao Brasil e lá morreu em 1930,mas dela só conheciam a figura inacessível para eles, as lendas que a cercavam,a fama de celebridade local. Logo que os visitei, me levaram à Casa da Hera,objeto de uma das cláusulas do testamento da conterrânea.
********************************
A casa da Hera
"Uma cláusula no testamento para "conservar a Chácara da Hera com tudo que nela existisse no mesmo estado de conservação, não podendo ocupar ou permitir que fosse ocupada por outros". A casa e as terras da chácara foram herdadas pelo Instituto das Irmãs Missionárias do Sagrado Coração de Jesus.
Em 1952 a Casa da Hera foi tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional como” expressão do cotidiano de uma família rica de fazendeiros e comissários de café do século 19.
Em 1965 o IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - assinou um convênio de caráter permanente com Instituto das Irmãs Missionárias do Sagrado Coração de Jesus no qual assumia a guarda e controle da Casa da Hera, que então passou a ser aberta à visitação pública “A casa fechada e sem ocupantes mas preservada por empregados, desde 1873 até ser aberta a visitação pública em 1965 constitui-se em uma verdadeira cápsula do tempo.
O Museu Casa da Hera tem como missão principal, conservar, salvaguardar, pesquisar, expor, e difundir a história do século 19 no vale do Rio Paraíba do Sul"
(fonte:Wikipedia Portugal)

3 comentários:

elizabete disse...

Espanto! ainda hoje, sentimos uma sensação de pasmo e perplexidade pela coragem , arrojo e porque não? sensação de modernidade que ela nos passava!
Eufrazia entra nas páginas da história brasileira, com exemplo de integridade e convicção de quem sabe buscar seu sonho...
Mulher notável!

Murcio disse...

Thereza,
Conheço a bela historia da vida da Euphrasia e tenho uma pimentinha guardada, que nao consta dos anais da historia. Meu avô paterno Ramiro Teixeira de Mello eh filho do pai dela, Joaquim Jose Teixeira Leite, fora do casamento ( tenho o documento com o registro). Dessa forma, ela era meia-irma do meu avô e por consequencia minha tia-avo. Por ironia, o segmento da familia que mais cresceu e prosperou foi a do meu avô. Ele teve 16 filhos sendo meu pai o penultimo deles. Meu pai, por sua vez, teve 8 filhos ( seis ainda vivos) e dois deles morando em Vassouras.
Euphrasia, filha de ricos fazendeiros de cafe, se apaixona por um ferrenho abolicionista...pra aquela epoca era muita coragem e petulancia...mas ela viveu tudo o que sentia e, se nao se casou, nao foi pela dita promessa feita ao pai no leito de morte e sim por interpretaçao equivocada do Joaquim Nabuco com referencia a ajuda que ela lhe propos em carta, para montar uma editora pra ele gerir em Londres...ele ficou furioso achando que ela o estava comprando...mesmo com ela implorando por seu perdao e tentando mostrar que nao fora sua intençao, ele ficou irredutivel e
rompeu definitivamente o relacionamento que ja durava perto dos 15 anos.
Tenho um super orgulho por ela ter direcionado todos os bens materiais a beneficencia e reconhecido o verdadeiro sentido da vida...afinal, a fortuna da familia germinou as custas de trabalho escravo e foi por ela, espontaneamente, devolvido a sociedade. Belo gesto !
Murcio Teixeira de Mello

Amanda Maria disse...

Tudo isso só mostra que o único elemento capaz de promover a liberdade nos seres humanos é o conhecimento. Eufrásia só viveu da forma que escolheu, numa época extremamente machista e preconceituosa porque, além de rica, era uma expert em gestão financeira.