quarta-feira, 28 de setembro de 2016

DUO DE PIANO A 4 MÃOS EM CONCERTO DA ABL



Antecipo o agito cultural em outubro, no Rio de Janeiro
*****


Na próxima quinta-feira, 06 de outubro, a pianista FANY SOLTER, baiana de dupla nacionalidade - brasileira e alemã - estará ao lado do pianista ROBERTO DOMINGOS, ambos bprofessores na Escola Superior de Música de Karlsruhe, Alemanha, para realizar o concerto de piano a 4 mãos na série "Música de Câmara na ABL" da Academia Brasileira de Letras. 
O concerto tem início às 12h30 no confortável e amplo teatro Raimundo Magalhães Jr. , 1º andar, Av, Presidente Wilson,  203, Centro.
A entrada é franca, sem necessidade de distribuição de senha. 
É só chegar. 

(divulgação)


*************

Fany Solter, que muitos intitulam de Embaixadora pelo seu trabalho  incansável, há anos,  de divulgadora da música brasileira no Exterior e principalmente na Alemanha, é reconhecida também como grande pianista e professora. Premiada em vários concursos internacionais, como o de Munique e Vercelli, tem atuado como solista em concertos com orquestra, entre outras da Orquestra Sinfônica de Praga, Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquestra da Suisse Romande, Orquestra Sinfônica da Radio da Baviera, Israel Camerata de Jerusalem, Filarmônica de Câmara da Polonia, com os mais famosos regentes do mundo.  
Única brasileira que se tornou Reitora de uma instituição de ensino da música na Alemanha ou em qualquer outro país do mundo, Fany Solter ficou à frente da Reitoria da Escola Superior de Música de Karlsruhe de 1894 a 2001 , deixando o cargo por vontade própria para se dedicar mais a seus alunos e aos concertos como solista ou como camerista. Durante seu reitorado não faltaram Festivais de Música Brasileira na Alemanha, muitos dos quais com a presença dos  compositores, convidados para assistir suas obras interpretadas por músicos alemães. Realiza master classes nos quatro cantos do mundo e é frequentemente solicitada a participara como jurada em concursos internacionais de piano. 



Roberto Domingos iniciou sua formação musical na Escola Superior de Música e Belas Artes do Paraná, e logo após transferiu-se para Alemanha como bolsista do CNPq. Vários cursos no Brasil e no exterior completaram a sua formação musical.
Roberto se apresenta como recitalista, camerista e solista com diversas orquestras do Brasil e   Europa. Tem atuado em diversos paises como, Alemanha, Suiça, Polonia, Rússia, Albania, Espanha e França.
Roberto Domingos é pós-graduado pela Escola Superior de Música de Kalrsruhe nas classes de Fany Solter e Dinorah Varsi e pelo Conservatório Tchaikowisky de Moscou na classe de Rudolf Kehrer.
Desde 1987 reside na Alemanha. Masterclasses (China, Coreia, Brasil) e atividades como Jurado de concursos nacionais e internacionais completam a sua atuação musical.

Academia Brasileira de Letras
O Duo Fany Solter&Roberto Domingos vai interpretar obras de Czerny, Schubert, Ravel, Penalva e Liszt. 

*****************

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Fundação Eva Klabin-21a.edição do Projeto Respiração




 O TEXTO DO CURADOR


O Projeto Respiração tem por objetivo criar intervenções de arte contemporânea na Fundação Eva Klabin. A idéia surgiu a partir da vontade de estabelecer outras camadas de leituras do acervo, que é basicamente de arte clássica e arqueológica, cobrindo quatro mil anos de história da arte, do Egito Antigo ao impressionismo.
Como lidar com um acervo muitas vezes engessado pela própria circunstância de sua criação, que foi a de deixar para a memória coletiva da sociedade brasileira uma coleção que é um resumo dos principais momentos da história da arte clássica, circunscrito em uma ambiência de casa-museu que reflete o gosto pessoal e os hábitos sociais de sua instituidora? 

Como trazer para um espaço totalmente preenchido pelo imaginário de Eva Klabin experiências plásticas mais afeitas ao "cubo branco", como os dos museus de arte moderna e das galerias de arte?
A nossa resposta a esse desafio foi convidar artistas capazes de estabelecer outras camadas de leitura do acervo. A intenção foi declaradamente criar fricções de linguagens entre a arte consagrada do passado, incorporada ao patrimônio, e as manifestações contemporâneas. 
Esses atritos são provocados não só pelo acervo ou pela história da arte, como também por outras questões específicas de uma situação de casa-museu. Essas vão desde o fato de as obras estarem expostas em um ambiente doméstico, em oposição a um ambiente tradicional de museu, até outras implicações mais sutis como a relação entre o que é pessoal e o que não é socializável, entre o espaço da intimidade de uma residência e o de um ambiente de um museu de representação coletiva. 

Eva Klabin habitou e formatou esse espaço, criou o cenário para a sua existência e o transformou em museu.
Em outras palavras, por ser uma casa-museu, as obras expostas na Fundação Eva Klabin estão diretamente ligadas à história pessoal da colecionadora: seu gosto, seu olhar, sua percepção e apreensão da vida, do mundo e da história da arte. Não é um campo neutro, como nos museus, onde as obras são absorvidas pelo que são, destituídas de qualquer outra intervenção que não a da própria história da arte. 
A casa-museu de Eva Klabin é um território habitado. É um território cheio de recordações, memórias, vivências, que criam um pano de fundo para as obras. 
Essa circularidade de sentido que escoa por entre as obras aqui reunidas - como resultado impalpável e imaterial das relações estabelecidas por Eva Klabin - constitui o campo de proposição estética do Projeto Respiração.
Esse campo - da mesma forma que uma obra de arte - tem origem no indizível. Ou seja, as relações espaciais estabelecidas por Eva Klabin constituem um território expressivo de sua singularidade. Mesmo que não dito, esse território está presente e emana das relações que suas escolhas estabeleceram. 
É esse território silencioso que a curadoria quer pôr em questão quando convida artistas que proponham uma ação na intencionalidade que rege o espaço deste museu.
Essa situação é possível, hoje, porque há uma sensibilidade nas artes plásticas capaz de atravessar o mundo imediato da visibilidade e estabelecer outras relações com o seu entorno. O objetivo é que o artista convidado utilize como rastilho estético a sua leitura dos espaços vazios - dos espaços que existem entre as coisas - e que nos permitem perceber as coisas.
 É uma proposta de trabalhar com as zonas adormecidas, silenciosas e de descanso, que não são imediatamente perceptíveis, mas são o que garantem a nossa percepção do espaço. 
Dessa forma o artista está criando novas relações espaciais no acervo da casa-museu de Eva Klabin, oxigenando, revitalizando e atualizando o sentido dessa coleção. Por isso: Respiração.
Marcio Doctors
Curador

domingo, 25 de setembro de 2016

46 anos sem Oscarito



Em 1956,Oscarito-que faleceu em 1970- comprou uma casa na estância hidromineral de São Lourenço,no sul de Minas Gerais para viver após a aposentadoria.

Lá , a pedido de sua viúva ,a também atriz Margot Louro (1916-2011) que ainda residia na cidade, foram concentradas desde janeiro de 2006 as homenagens pela passagem do centenário de nascimento deste gênio da comédia.

A Prefeitura de São Lourenço e a Fundação Municipal de Cultura da cidade mineira organizaram,para marcar a data, eventos reunidos sob o tema “Cem anos de riso” : “Exposição - Oscarito 100 anos de riso,” “Carnaval para a Melhor Idade como nos velhos tempos” incluindo marchinhas e decoração com o temam “Mostra Cinematográfica” nas salas de exibição dos bairros da cidade, “Festival de Corais de Empresas”, o documentário “Oscarito 100 anos de riso” e, no dia do aniversário (16 de agosto) inauguração do busto do artista no Calçadão da cidade. com a presença de familiares, colegas de trabalho e admiradores.

*******

 Oscarito (Oscar Lorenzo Jacinto de la Inmaculada Concepción Teresa Díaz) nasceu em 16 de agosto de 1906 na véspera de uma estréia do Grande Circo do Teatro Coliseu dos Recreios, de Lisboa, em Málaga. e chegou ao Brasil com um ano de idade.
Costumava dizer que poderia ter sido marroquino,pois o circo em que seus pais trabalhavam como trapezistas(pai alemão, mãe espanhola) ali estava em turnê alguns dias antes.

A família tem 400 anos de tradição circense e Oscarito tinha tinha parentes italianos, franceses, ingleses, espanhóis e dinamarqueses.
Aos 5 anos pisou o palco pela primeira vez, fazendo papel de índio na montagem de ‘O Guarani”, de José de Alencar.
Oscarito começou fazendo acrobacias no circo, ao lado de sua mãe Clotilde e de sua irmã mais nova, Lili e trabalhou também como palhaço,trapezista,acrobata galã e era um bom violinista.
Tocou em salas de projeção nos tempos do cinema mudo.

 A fama

 Em 1932, Alfredo Breda, que atuava na Praça Tiradentes, o convidou para imitar Getúlio vargas, na revista “Calma,Gegê , uma sátira ao presidente Getúlio Vargas, no Circo Democrata

 Antenado com o gosto popular, Getúlio costumava assistir as peças em que era satirizado e convidou Oscarito para almoçar num ano novo,no Palácio Rio Negro, em Petrópolis, residiencia de verão da Presidiencia da República.

Estes almoços se repetiram muitas vezes, para comemorar cada 1º de janeiro. Em 1934,antes de viajar para uma temporada em Portugal, casou-se com a atriz Margot Louro, jovem atriz muito bela, que vinha de uma família também circense( Circo Democrata na Praça da Bandeira,Rio de Janeiro Da união feliz nasceram Mirian Teresa(atriz) e José Carlos,baterista. Artista completo, trabalhou em circo, teatro, rádio e cinema.  

Nível internacional

A estréia no cinema foi em”A Voz do Carnaval” ,de 1933,e no elenco, estava Carmen Miranda. A partir de “Noites Cariocas”,de 1935, ligou-se ao parceiro Grande Otelo, com quem fez dupla em 34 filmes da Atlândida, entre 1944 e 1962.
 Bob Hope, humorista americano, encantado com a imitação de Rita Hayworth no papel de Gilda em “ Este Mundo é um Pandeiro” (1947) convidou o ator para filmar nos Estados Unidos.
 Oscarito, em depoimento ao Museu da Imagem e do Som, confirmou as propostas para trabalhar na Europa ou em Hollywood e revelou que “sempre recusou, porque se sentia bem no Brasil e era bem aceito" pela população”
E continuou: “ quando solicitei o decreto de naturalização que me deram em 1949, já era 100% brasileiro.” Nos anos 50,auge da fama, campeão de bilheteria, fazia três filmes por ano, incluindo paródias de filmes de Hollywood, como “Matar ou Correr”, de Carlos Manga, em cima do bangue-bangue “Matar ou Morrer”, de Fred Zinnemann. Com 45 filmes, fenômeno de bilheteria era o comediante mais popular da época. .  


Dias finais


 “Temente a Deus e ao imposto de Renda”,levava uma vida certinha e sem vícios ,ao lado da esposa,filhos e netos. 
Num final de semana, enquanto arrumava malas para passar um final de semana em seu sítio de Ibicuí (RJ),Oscarito passou mal: as pernas ficaram dormentes e ele desmaiou.

Um derrame cerebral .que o deixou em coma, causou a morte dez dias depois, em 4 de agosto de 1970. Quando preferiu se retirar para o sítio,edeclarou numa entrevista: "Qualquer dia vão me demolir como um prédio velho. Melhor cuidar das galinhas e dos repolhos”

Engano completo,Oscarito, você continua mais vivo do que nunca.
Nestes tempos de cinismo e impunidade,em que a cultura é tratada com desprezo em benefício de outros valores, seu jeito inocente faz a grande diferença entre o que éramos e no que,infelizmente, nos transformamos.
*****************************
PROJETO OSCARITO ( Fonte FCBB) 

Para homenagear o grande artista,num show no Golden Room do Copacabana Palace com a presença artistas e colaboradores que participaram da vida artística de Oscarito,foi lançado o Projeto Oscarito, que compreende:

 *Criação, pela Fundação Banco do Brasil, do troféu "Oscarito" aos melhores do cinema brasileiro em suas especialidades. *"Semana Oscarito": exibição no SBT de uma semana de filmes de Oscarito.
*Relançamento do livro "Retrospectiva de Oscarito".
*Recuperação dos 46 filmes de Oscarito e dos cartazes desses filmes, pois apenas cinco permanecem intactos, o que irá contribuir para preservar a memória da filmografia brasileira.”

*******************

Filmografia (fonte: site www.cineminha.com.br) 1975 - Assim era a Atlântida 1968 - Jovens Para Frente 1967 - A Espiã que Entrou em Fria 1965 - Crônica da Cidade Amada 1962 - Os Apavorados 1962 - Entre Mulheres e Espiões 1960 - Dois Ladrões 1960 - Duas Histórias 1959 - O Cupim 1959 - Pintando o Sete 1959 - O Homem do Sputnik 1958 - Esse Milhão é Meu 1957 - De Vento em Popa 1957 - Treze Cadeiras 1956 - Vamos com Calma 1956 - Colégio de Brotos 1956 - Papai Fanfarrão 1955 - O Golpe 1955 - Guerra ao Samba 1954 - Matar ou Correr 1954 - Nem Sansão nem Dalila 1953 - Dupla do Barulho 1952 - Três Vagabundos 1952 - Carnaval Atlântida 1952 - Barnabé, Tu és Meu 1951 - Aí Vem o Barão 1950 - Aviso aos Navegantes 1949 - Carnaval no Fogo 1949 - Caçula do Barulho 1948 - é com Este que Eu Vou 1948 - Falta Alguém no Manicômio 1948 - E o Mundo se Diverte 1947 - Asas do Brasil 1947 - Este Mundo é um Pandeiro 1946 - Fantasma por Acaso 1945 - Não Adianta Chorar 1944 - Gente Honesta 1944 - Tristezas não Pagam Dívidas 1941 - O Dia é Nosso 1941 - Vinte e Quatro Horas de Sonho 1940 - Céu Azul 1938 - Banana da Terra 1938 - Bombonzinho 1938 - Está Tudo Aí! 1936 - Alô, Alô, Carnaval 1935 - Noites Cariocas 1933 - A Voz do Carnaval ************************************************************************

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Primavera 2016 no Hemisfério Sul e "Dia da Árvore"


 

  
As quatro estações-Vivaldi
PRIMAVERA

*********************
Com uma oscliação de temperatura muito louca aqui no Rio,  o Sol se prepara para entrar na estação das flores às  11.21 (sem horário de verão) do dia 22 de setembro de 2016. Acontece o o equinócio (noite igual) , quando dia e noite terão a mesma duração


 


Antigamente, o ano era dividido em duas estações básicas: VER,VERIS - o bom tempo, a estação das flores e das frutas e HIEMS, HIBERNUS TEMPUS - o mau tempo, a estação da chuva e do tempo frio.
VER foi rearrumado em 3 períodos:
1) o princípio da estação de bom tempo, chamado PRIMO VERE (mais tarde, a nossa primavera), que hoje seriam os dois primeiros terços desta estação.
2) a segunda parte do VER - o veranum tempus, origem de nosso vocábulo verão, final da primavera e início do tempo quente.
3) o final do tempo do VER, o AESTIVUM, raiz do vocábulo português estio e que correspondia ao final do verão dos nossos tempos atuais.
HIEMS, a estação do mau tempo, foi fracionado em TEMPUS AUTUMNUS (o outono) e TEMPUS HIBERNUS (o inverno )
Este modelo de cinco estações foi adotado até o século XVI: primavera, verão, estio, outono e inverno.
A partir do século XVII, foi estabelecido o atual sistema de estações, com o tempo dividido em quatro partes iguais, assinalados pelos dois equinócios - primavera e outono - e pelos dois solstícios - inverno e  verão.
“WINTER BLUES”,”SUMMER BLUES”


 Muitas vezes fico pensando como deve ser maravilhoso viver o espaço de um ano com estas quatro estações bem definidas.
Nasci e me criei aqui na cidade do Rio de Janeiro - Latitude 22º 56' 36" Sul e Longitude 43º 09' 40" Oeste - o que significa, na minha suspeita opinião, conviver com 3 opções: forte calor, calor muito forte e insuportável canícula, o que impede uma vida civilizada.

Na região sudeste do Brasil, onde há a maior concentração populacional do país, chamamos de Primavera o fim da estiagem de inverno e o início da temporada de chuvas.
Apesar das  agressões à natureza, que mudaram totalmente as condições climáticas, ainda existe fora dos trópicos a sequência verão-primavera-outono-inverno.

Mesmo sofrendo o risco da chamada depressão sazonal (seasonal affective disorder - SAD) e do “WINTER BLUES”,  uma forma mais suave da depressão sazonal, a vida interior ali tende a ser bem mais rica do que a de quem tem o marzão a perder de vista, se torra ao sol e se dissolve no calor úmido.

Mil perdões pelo texto comprometido com o tempo frio, mas tenho certeza que sofro de "SUMMER BLUES", que o digam os que têm que conviver com meu metabolismo alterado pela canícula insuportável e os que se surpreendem quando uso roupas ligeiras no inverno de São Paulo e suporto muito bem temperaturas baixas em outras paragens..

A Estação do Amor

A glândula pineal ou epífise, que produz melatonina, foi observada pela primeira vez por Herófilo, da Universidade de Alexandria há dois mil anos e está presente nos animais vertebrados e invertebrados. 
Era considerada na Antiguidade apenas um músculo que controlaria o fluxo do pensamento. 
Galeno, médico grego do século II, demonstrou que a glândula pineal possuía um tecido diferente do cerebral.

O filosofo René Descartes (século XVII) expôs a teoria de que a pineal seria o centro da alma.
Em nossos dias, já muito bem estudada, ficou evidente que a pineal informa o organismo sobre as condições da iluminação do ambiente.

É através dela, ao liberar melatonina - cuja ação varia de acordo com a hora em que é liberada - que o organismo percebe se está escuro e diferencia o dia da noite .
Durante a primavera, os dias começam a ficar mais longos e as noites mais curtas. Neste período, a temperatura do ar começa a se elevar aos poucos até a chegada do verão.
Nos animais ,que se reproduzem de acordo com as estações do ano ,a melatonina pode estimular ou inibir as atividades sexuais.

Dia da Árvore
O Dia da Árvore “original” foi criado por Julius Sterling Morton (1832-1902).
Morton, natural de Michigan mas jornalista e político em Nebraska, serviu como Secretário de Agricultura do Presidente Grove Cleveland, quando direcionou seu esforço para aprimorar as técnicas agrícolas existentes.
Cleveland, com arguto senso de oportunidade, percebeu que a economia de Nebrasca e também a paisagem seriam beneficiadas com um programa de plantio massivo. 

Assim, deu o exemplo, plantando em sua fazenda e propondo que um dia especial fosse reservado para conscientizar o povo sobre a importância das árvores.
Na primeira comemoração (1884) um sucesso surpreendente: mais de um milhão de árvores plantadas.
A partir de 1885, o dia 22 de abril (aniversário de Morton) passou a ser feriado estadual em Nebrasca.

O nosso Dia da Árvore, 21 de setembro, foi escolhido para cultuar as tradições de nossos povos indígenas, cuja época de chuvas corresponde à chegada da Primavera. Como somos um país-continente, também existe uma controvérsia na festividade, pois no norte e nordeste as chuvas são mais  freqüentes no final de março.
*****************************

domingo, 18 de setembro de 2016

Flores Raras- Minibiografia de Lota de Macedo Soares



 


                                  Vista parcial do Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro 
A ela nós,cariocas e os que nos visitam, devemos- simplesmente- essa beleza de cenário

É difícil  desvincular o nome de Maria Carlota Costallat de Macedo Soares- a Lota- esteta,paisagista,arquiteta sem diploma mas com gosto requintado- da figura de Elizabeth Bishop,vencedora do Prêmio Pulitzer e poeta ainda hoje influente na literauora americana
Estão juntas, misturadas, amalgamadas para todo o sempre.

Experimente consultar algum material sobre a vida de Bishop - e existem centenas de fóruns, sites, comunidades no orkut,   vagas notícias sobre o filme  o, uma peça que foi montada no Rio e outra em Nova York, com Amy Irving no papel da escritora - e você vai encontrar, muitas vezes, o nome de Lota.










 Ela merecia que o Parque tivesse seu nome, mas a História não perdoa certas atitudes tomadas em certos momentos. 
******************

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Atração Fatal- As mulheres de Picasso.


 *****
Inaugurada na terça-feira 13 de setembro, na Caixa Cultural -no Centro do Rio- a exposição “Picasso: mão erudita, olho selvagem”. 
A mostra reúne 138 obras entre pinturas, desenhos, gravuras, esculturas, cerâmicas e fotografias pertencentes ao Musée National Picasso-Paris e  que  traçam um percurso cronológico e temático em torno de conjuntos que seguem as principais fases de Pablo Picasso.

(divulgação) 

**************************
A propósito da abertura  da exposição na Caixa Cultural do Rio de Janeiro, na Avenida Almirante Barroso, publico  aqui um pedaço da vida pessoal do Gênio.A cada mudança afetiva, praticamente acontecia nova fase em sua obra.




 
Pablo Diego José Francisco de Paula Juan Nepomuceno María de los Remedios Cipriano de la Santísima Trinidad Ruiz y Picasso 


(Málaga25 de outubro de 1881 — Mougins8 de abril de 1973)


  Atração Fatal

 “Ninguém em minha família conseguiu escapar à sua presença sufocante. Ele precisava de sangue para assinar cada uma de suas telas “ 
Marina,neta de Picasso
**********


Filho de um professor de desenho que estimulou seu talento,Pablo Picasso Ruiz fêz estudos em Madri e,depois, em Barcelona. 
A partir de 1900, fixou-se em Paris.
Ali encontrou,entre muitos outros artistas,Max Jacob, Van Dogen,Appolinaire. E a bela filha do dono do cabaret do “Lapin Agile”,em Montmarte, 
 A primeira namorada "documentada" foi MADELEINE, de quem fez muitas pinturas,começando  sua fase azul.marcada pela melancolia e tristeza Madeleine engravidou de Picasso,mas abortou.   

Sua próxima amante, EVA,morre tuberculosa.

Arrasado com o suicídio( por amor )do maior amigo,Carlos Casagemas,Picasso acaba por se envolver com o pivô da tragédia: a bela modelo 
GERMAINE. 

Foi a partir daí e pensando em Casagemas que se iniciou a “Fase Azul”,segundo depoimento de Picasso ao crítico de arte Pierre Daix. 
As telas se tornaram tão difíceis e severas,o monocronismo denunciando de tal forma a profunda angústia, que marchands se afastam de Picasso .

Mais tarde a própria Germaine se tornou apenas mais um nome na lista de amantes,e continuou a existir, durante muito tempo em sua pintura. 
Na vida de Picasso,
as paixões e a arte caminham juntos,a cada novo amor, uma nova fase artística 
FERNANDE
Quando conheceu Fernande Olivier e por ela se apaixonou, a tristeza ficou para trás.  Iniciou-se aí a breve fase rosa. Não só as cores, mas também os temas de se tornaram mais alegres. Retratou a arte circense, geralmente mostrando os artistas e seus animais. 
  O encontro com as esculturas africanas serviu de estímulo para buscar novas formas de mostrar e interpretar a realidade. 
Juntamente com o pintor francês Georges Braque,elaborou as coordenadas do que hoje é o cubismo analítico, considerado um dos movimentos mais importantes da história da arte moderna. 
 
Fernande , a chamda “amante residente”, que com ele partilhou bons e maus momentos,vícios e prazeres o abandonou em 1911.   
Com a chegada da guerra da 1914 ,afastado artisticamente do grupo cubista, Picasso retomou sua liberdade de expressão e,o gosto pela cor e pela exuberância,é o momento o naturalismo dos anos 1915-16 e do realismo de 1917.  

 OLGA 
 Uma viagem `a Italia traz `a vida de Picasso Olga Kokhlova (1891-1955-foto) ,bailarina do Ballet Russo dirigido por Diaghilev Com esta moça recatada,virgem, filha de um coronel dos hussardos e obcecada por organização e família, Picasso se casou em 1918. 
  
Mergulhando no mundo do “discreto charme da burguesia' 

A vida burguesa o leva a pintar de forma “antiga” ou “neoclássica.mas,ao mesmo tempo realiza obras cubistas (1921/1926) e realistas(1923)  Entre 1925 e 1932, Picasso descobriu o surrealismo . 
Em 1933 e 34 aparece o tema do Minotauro, durante uma viagem `a Espanha . 
  Foi quando Pablo (1921),o filho,subserviente e despersonalizado que trabalhava como motorista do pai, aceitando receber um ínfimo salário lhe deu os netos Marina (1951) Pablito (1954-1973) e Bernard (1959).  
Em meio a humilhações,este ramo do grupo familiar sobreviveu como foi possível. Marina se formou em Medicina, Pablito se suicidou poucos dias após o funeral de Picasso e Bernard tornou-se um colecionador de arte.
  Marina publicou um livro denúncia bombástico “Grand Père”, no qual detona irremediavelmente a figura do avô, embora não tenha se negado a receber a incalculável fortuna que ele lhe deixou. 
Marie Thérese
Olga Picasso morre em 1955 ,seguindo o script fatal das amadas do Mestre: ser usada,humilhada, torturada,  abandonada e,por fim ,esquecida.  

 
MARIE THÉRÈSE 
Na adolescente Marie Thérese Walter(1909/1977) Picasso encontrou a ”Lolita” ,que lhe serviu de modelo. 

Embora a relação tenha sobrevivido durante sete anos,o encantamento inicial durou pouco.  
Nasceu Maya (1935) que lhe deu os netos Olivier(1961), Richard (1964) e Diana (1971).  Como sempre, depois de um fugaz entusiasmo,Picasso perdeu o interesse pela musa, que se transformou numa sombra vaga e presença invisível.
Marie Therese se suicidou em 1977,por enforcamento .  


DORA  
Picasso e Dora Maar
Mesmo ainda casado com Olga e mantendo o romance com Marie Therese viveu ,durante dez anos,com Dora Maar( pseudônimo de Theodora Markovitch),filha de pai iuguslavo e mãe francesa. 
Dora foi educada na Argentina, falando perfeitamente o espanhol. Era pintora, fotógrafa e participante do movimento surrealista.   
O que Picasso tinha a oferecer? Uma relação violenta e cruel, dividida com Marie Therese. Ele as retratou em telas gêmeas, como rainhas rivais,muitas vezes as pintou no mesmo dia e na mesma pose.
Dora Maar e Picasso, que na época tinha 55 anos, tiveram uma relação por nove anos, durante o período dramático da guerra de Espanha e da Segunda Guerra Mundial, quando o artista reuniu nos seus quadros o drama da violência da história com os tormentos da sua vida privada. 
Picasso vivia então num caos sentimental.  Dora foi a inspiradora da figura “Mulher que chora” do imenso trabalho “Guarnica. realiza na ocasião da feitura da obra uma super fotorreportagem.
Abandonada por Picasso em 1944,Dora morreu em julho de 1998,sofrendo de histeria depressiva ,acompanhada por suas piores recordações.

FRANÇOISE

 Françoise
Em1943, Picasso encontrou Françoise Gilot bela e elegante, com quem viveu nos arredores de Antibes uma relação tumultuada,que os biógrafos chamam de “gato e rato” e deixou dois filhos: Claude, nascido em 1947(,que lhe dará o neto Jasmin nascido em 1981)e Paloma em 1949,nascidos em Vallauris .   
As obras desta fase atestam o engajamento político,mas Picasso também pinta naturezas mortas, paisagens e retratos.

  A partir de 1950, começa a realizar variações sobre obras de obras de pintores célebres com “Demoiselles au bord de la Seine” de Courbet. 
 Françoise Gilot, ela mesma uma pintora talentosa e produtiva,não suporta o convívio sufocante com o Mestre.

 Em1953, Françoise “cansada de viver com um monumentohistórico”abandonou Picasso e se mudou para Paris com os filhos.
Casou-se com o cientista Jonas Salk, descobridor da primeira vacina contra poliomielite e fixou residência nos Estados Unidos.

JACQUELINE




Em seguida,aos 72 anos, Picasso conhece Jacqueline Roque de 27, com quem se casou secretamente viveu,finalmente, com placidez até a morte.
Jacqueline
Continuou trabalhando sobre obras de Velasquez e Delacroix.

Mudou-se para Vauvernages antes de se fixar no Chateau de Notre-Dame de Vie em Mougins, onde continuou a produzir a série de variações sobre grandes mestres.

De 1960 a 1973, (ano de sua morte com mais de 90 anos), o trabalho foi intenso: mais de mil estampas, desenhos e pinturas.
Em 1963, dedicou a Jacqueline nada menos de 163 quadros.


A conquista da serenidade do Mestre,entretanto, custou um desfecho trágico: Jacqueline Roque para quem Picasso era “sol e Deus” não suportou a solidão e, em depressão profunda,se suicidou com um tiro na cabeça em 15 de outubro de 1986.
**************

A obra de Picasso é monumental: estima-se que deixou 1880 pinturas,1335 esculturas,7089 desenhos, 200 cadernos com milhares de desenhos,880 cerâmicas. ,20 mil provas de gravuras,duas mulheres e um neto suicidados,filhos psicologicamente destruídos, ex-mulheres abandonadas e uma filha perfumista e joalheira, formando uma família bilionária onde o nível de paz ronda o zero.  
*************************************************************


terça-feira, 13 de setembro de 2016

Entrevista com Yoko Ono publicada no Frankfurter Allgemeine


O MALBA,Museu de Arte Latinoamericana de Buenos Aires,exibe no momento uma exposição interativa com obras de Yoko Ono.
 ****

Yoko Ono
Dream Come True
 

24 de junho a 31 de outubro de 2016 
Curadores: Gunnar B. Kvaran e Agustín Pérez Rubio
Sala 5. Nivel 2 e diferentes espaços  da cidade

******
Escolhi ,para "comemorar" minha visita, um pedacinho do texto meio gongórico de Jordan Mejias,publicado no Frankfurter Allgemeine.



***************************
 Cada dia é um dia feliz 
ENTREVISTA A JORDAN MEJIAS,


em 30-01-2013.ao completar 80 anos.

Nenhuma mulher  atraiu tanto ódio  como Yoko Ono: foi consideradaculpada  pela separação dos Beatles, mas deu a resposta,ao converter  essa energia negativa em uso criativo. 
 **** 


Todo mundo sabe disso. Todo mundo sabe desde o último meio século, quem ela é, como ela é, onde mora, quando a vida deixou de mimá-la.
Sua arte floresceu nos anos sessenta e é  uma celebridade com perseverança,mas sem contorno puro.
Vanguarda ,para todos nós, é a viúva de John Lennon. Para alguns, continua a mulher sinistra que tem a separação dos Beatles em sua consciência.  

**** 
Sentamos em sua cozinha no Edificio Dakota,também um nome que todo mundo conhece.  
Edifício Dakota em NY

Antes fortaleza residencial pomposa no Central Park,onde  John Lennon foi baleado em 08 de dezembro de 1980,até hoje recebe a qualquer momento do dia e, muitas vezes, mesmo à noite turistas com suas câmeras  apontadas para os porteiros uniformizados    

Lá em cima, na enormidade de um apartamento com suítes revelarndo-se  oásis de silêncio absoluto,  você se sente como se estivesse fora da grande cidade.
Fui 
incentivado a tirar os sapatos, mas  jamais  teria  ousado pisar com uma sola de couro vulgar nos flocos de neve brancos empilhados no esplendor do piso. 


 Flutuei de meias para a cozinha 
Como num tapete voador a visão pode livremente vagar  da esquerda para e direita, em belos salões,cômodos confortáveis ​​e armários requintadamente decorados, todos transbordando  arte. 

 "Isto são imagens de Otto Dix e George Grosz," diz Jon Hendricks, o  homem que tem acompanhado Yoko Ono como  amigo e curador através das décadas.  
Georgia O'Keeffe e Tamara de Lempicka também  são encontradas ali  e existe uma lareira aberta   onde ,por cima,está pendurado um retrato de John Lennon, feito na Factory de Andy Warhol. 
 

Na cozinha rústica, maior que muitos apartamentos em Nova York , encontramos confortáveis ​​sofás e poltronas para conversar.  
Um Buda se mistura com panelas e pratos, um mosaico irregular serve como  mesa de cozinha.  
 De repente, lá está  ela,de pé.  Toda de preto, uma figura   pequenina e frágil sob a cobertura do piso  de nuvens,com os óculos na ponta do nariz.
Parece inacreditável  que em duas semanas, completará 80 anos. 
 

Yoko Ono gosta de parecer suave, de transmitir calma oriental e sabe como transitar em seu mundo mas, por dentro, é  dona de uma vontade de ferro  e dá para perceber que atrás do sorriso  ainda habilmente tímido, existe uma boa dose de auto-confiança. 

( continuação em breve pois traduzir  e adaptar do alemão não é tarefa fácil..)

**********