sexta-feira, 14 de agosto de 2015

José Marti, patriota,poeta e escritor


"Cultivo una rosa blanca En Julio como en Enero Para el amigo sincero
Que me da su mano franca  
Y para el cruel que me arranca  
El corazón con que vivo  
Cardo ni ortiga cultivo
  cultivo una rosa blanca"
Por suas idéias revolucionárias e a participação na Guerra dos Dez Anos, aos 16 anos, foi condenado a 6 anos de prisão, cumprindo pena de trabalhos forçados nas pedreiras de Havana. Com a saúde debilitada teve a pena comutada em exílio, em 1871 segue para a Espanha. 
Em Madrid publica "A prisão política em Cuba", o primeiro de muitos folhetos em defesa da independência cubana. 
Em 1874 concluiu estudos na Universidade de Zaragoza, diplomando-se em Direito, Filosofia e Letras.  
Decepcionado com os liberais espanhóis, seguiu para a França,de lá, partiu para o México e em seguida para a Guatemala, onde por algum tempo foi professor universitário.  
Regressou a Cuba em 1878, mas foi novamente deportado por manter seus ideais revolucionários e conspirar contra a autoridade espanhola. Conseguiu fugir da Espanha, indo para os Estados Unidos onde viveu por 1 ano.  
De Nova York seguiu para a Venezuela onde esperava estabelecer-se, publicando a Revista Venezuelana, que não agradou a ditadura local, obrigando-o ao retorno a Nova York, onde viveu de 1881 a 1895.  
Ali publicou "Ismaelillo", livro de poemas para seu filho, que expressa toda a angústia por estarem separados. Colaborou com o jornal argentino A Nação, e escreve vários de seus versos livres e a novela "Amizade Funesta".  
Nome de Orquídea

Marti foi homenageado da forma mais delicada com que são recordados os grandes vultos humanos: uma orquídea recebeu seu nome (Cattleya Alba josemarti-foto) 

Em abril de 1887 tornou-se cônsul do Uruguai nos Estados Unidos, e,depois serviu na Argentina e Paraguai.
Ainda em Nova York publicou os quatro números de A Idade de Ouro, revista mensal dedicada às crianças da América Latina. 

Participou ainda, nesse período, de uma Conferência Internacional, em Washington. Devido `a repercurssão de um artigo seu na Revista Culta de Nova Iorque, foi convidado a participar do Congresso Monetário de Washington, como representante do Uruguai.

 Finalmente, decide desligar-se de todas as suas atividades,para dedicar-se a preparação da guerra pela independência de Cuba do domínio espanhol.

Durante o ano de 1892 prepara o estatuto do Partido Revolucionário Cubano, e viaja ente Nova York, Filadelfia e Tampa, onde se organizavam os exilados cubanos. deles recebendo sustentação política e financeira. Começou a publicaro jornal La Pátria, voltado à liberdade, ganhando notoriedade como guerreiro nacionalista, dedicado à luta pela independência.

A urgência em deflagrar a guerra contra os espanhóis, a qual referia-se como uma "cruzada contra o demônio", devia-se ao medo crescente de que a força imperialista norte-americana fizesse o mesmo, conquistando Cuba, devido ao interesse comercial e por considerarem a conquista da ilha como a chave para dominarem as Américas Central e do Sul.
Em uma de suas observações mais famosas disse: "Quem se submete ao monopólio econômico, curva-se ao domínio político. A nação que compra, comanda. A nação que vende, submete-se. O comércio deve ser equilibrado para assegurar a liberdade."  

Poucos dias antes de morrer, escreveu carta a um amigo, onde confessava que sacrificaria sua vida, se isso detivesse o avanço dos Estados Unidos sobre a América Latina.
 Na ilha de Santo Domingo, em 25 de março de 1895, redigiu o Manifesto de Montecristo, onde esboçou a política para a guerra pela independência.  
Ali ficou determinado que a propriedade privada não seria danificada, que os espanhóis que não oferecessem resistência seriam poupados, que negros e brancos participariam da luta com os mesmos direitos, e, finalmente, que com a libertação lutassem todos pelo desenvolvimento político e econômico de Cuba.

Em 11 de abril de 1895, desembarcou com Máxino Gómez (o herói da indepedência cubana) em Playtas, a leste da ilha, recebendo a patente de General do Exército Libertador. Morreu 39 dias depois, num combate com tropas espanholas, em Dos Ríos.
José Martí, um dos precursores do modernismo ibero-americano, é considerado um dos maiores poetas latino-americanos.

 Era um leitor voraz, admirador de Walt Whitman, a quem chamou de "poeta dos povos".

Suas idéias eram suas armas na luta por um mundo melhor e costumava dizer que "quanto maior é o sofrimento, maior é o direito à justiça, os preconceitos dos homens e a desigualdade social não podem prevalecer sobre a igualdade que a natureza criou". 
 Acreditava que a liberdade e a justiça deveriam ser as principais bases para um governo, seus escritos condenam todo e qualquer regime autoritário, daí a importância de sua obra, publicada de 1936 a 1953, em 73 volumes.

Nenhum comentário: