sábado, 1 de fevereiro de 2014

Agatha Christie - a rainha do mistério e do suspense



Nascida em 1890 em Torquay-Devonshire, Inglaterra, Dame Agatha Mary Clarissa Christie, née Miller - escritora de livros policiais desde 1920 - vendeu mais de um bilhão de cópias. 

Livros editados em quase cem idiomais a tornaram a segunda autora mais traduzida, depois da Bíblia.
A Ratoeira”, peça de sua autoria,  está em cartaz no London’s West End, desde 1952.
***************
Era  filha de Frederick e Clara,  casal americano rico radicado na França desde 1896  e irmã de Madge e Monty,mais velhos que ela.
Foi educada em casa por tutores e professores particulares. 
Com a morte do pai quando tinha 11 anos, Agatha começou a viajar pelo mundo com a mãe.
 Aos 16 anos,  finalmente foi para uma escola regular Paris, 

onde aperfeiçoou seu talento como cantora e pianista.
 

Usou também um pseudônimo - Mary Westmacott -para   escrever romances, poemas,novelas e uma autobiografia. 
Educada em casa pela mãe, aos 16 anos foi para a França aperfeiçoar os estudos de canto. Logo, conheceu o Coronel Archibald Christie, com quem se casou e teve a filha Rosalind.

Em 1920, seu primeiro livro “O misterioso caso em Styles”, escrito enquanto trabalhava num hospital na 1ª Guerra Mundial foi recusado por diversos editores. 
Ali, já apresentava uma das criações mais famosas : o excêntrico detetive belga Hercule Poirot. 
Poirot se tornaria célebre por resolver crimes complicados com o uso da lógica e do raciocínio, nunca da violência. 

Agatha mostrava completo domínio na manipulação de substâncias químicas e venenos – fruto de sua vivência hospitalar.  
No final dos anos 20, surgiu outra interessante personagem - Miss Marple - velhinha intrometida que conseguia descobrir a solução do crime antes da polícia. 

Em 1930, dois anos depois do divórcio, casou-se com o famoso arqueólogo Sir Max Mallowan e passou a acompanhar o marido em viagens pelo mundo, cenários de muitos de suas novelas. 
Foi agraciada com o título de Dama do Imperio Británico, em 1971. 
Em 1975, um ano antes de sua morte, publicou “Cai o pano” - história na qual mata Hercule Poirot. 
Como virginiana do terceiro decanato ( 15 de setembro) era dotada das qualidades destes nativos: tinha grande senso de justiça e gostava de polemizar. 
Sua objetividade e calculismo foram fundamentais para que pudesse desenvolver as intrigantes tramas dos romances. ************************************************************************

Nenhum comentário: