domingo, 31 de julho de 2016

Novo filme sobre James Dean

LIFE- Um retrato  da vida de James Dean


"Às vésperas do lançamento do filme "Vidas Amargas" (1955), James Dean (Dane DeHaan) ainda não é um ator famoso. Os estúdios têm grandes planos para transformá-lo em um astro, mas ele não se sente à vontade com a vida de festas, eventos e autógrafos. O fotógrafo Dennis Stock (Robert Pattinson), apostando no sucesso iminente de James Dean, pede para fotografá-lo em um ensaio para a revista Life, mas recebe apenas respostas negativas. Um dia, para fugir da promoção de "Vidas Amargas", Dean esconde-se na fazenda de sua família, e leva o novo amigo Stock junto dele. Neste local, o fotógrafo registra as imagens mais famosas de toda a carreira do ator."

 
Título original Life

Distribuidor  PARIS FILM
(do site www.adorocinema.com)  

Trailer
http://www.adorocinema.com/filmes/filme-222465/trailer-19549517/

********************* 




 


JAMES DEAN: viveu rápido demais e morreu cedo demais.

  61 anos  sem o rebelde sem causa.

“Ele TEM que estar nos vendo”, foram as últimas palavras de  James Dean ao carona  no banco ao lado - o mecânico Rolf Wüterich - antes da colisão de seu Porsche com um carro dirigido pelo estudante universitário Donald Turnupseed, quase cego pelo sol que batia direto  no parabrisa.

A caminho de uma corrida em Salinas, California, a viagem e a vida acabaram para Dean em 30 de setembro de 1955 na estrada deserta.

O mecânico e Turnupseed sobreviveram. 
Aos 24 anos, Dean morreu numa ambulância a caminho do hospital. As investigacões policiais  concluíram que tudo  foi uma fatalidade. 

O ator mais famoso de seu tempo, que mudou os rígidos conceitos  sobre a masculinidade, havia gravado duas semanas antes uma campanha publicitária sobre segurança no trânsito, cujo slogan era” "Drive carefully, the life you save may be mine" ( dirija com cuidado, a vida que você vai salvar pode ser a minha). 

***

James Byron Dean nasceu em 8/3/1931 em Marion, Indiana, filho  único de Winton e Mildred. 
A mãe  morreu quando ele completou nove anos, sendo  o pequeno  enviado aos avós, que se encarregaram de sua criação.

Desde os tempos da Fairmount High Schol, jogava basquetebol, praticava ginástica olímpica e atuava em peças estudantis.

Em 1951, viajou para Nova York e se matriculou no Actor’s Studio de Lee Strasberg. Apesar de ser um aluno relapso, desenvolveu técnicas pessoais de atuar, sendo comparado aos grandes nomes da época, como Montgomery Clift e Marlon Brando.



Fama em cinco dias


Trabalhou em comerciais de televisão e participou, como ator coadjuvante, da peça See the Jaguar de Richard Nash, que ficou em cartaz apenas 5 dias.

Tamanho era o talento de Dean, interpretando o adolescente filho de mãe possessiva, que esta pequena exposição acabou rendendo, em 1954,  um papel na Broadway. 
Interpretou o árabe que seduz um turista britânico na peça “O imoralista’, de André Gide” 
Por este trabalho ganhou o prêmio David Blum  para novos talentos.



Rumo a Hollywood



Três semanas depois da estréia, deixou a equipe teatral por  um contrato irrecusável - filmar Vidas Amargas (East of Eden  – 1955), com Elia Kazan. 
Mesmo se desentendendo com o consagrado diretor, Dean deixou para a posteridade uma calorosa interpretação  do personagem Cal - protagonista do drama familiar baseado no romance de  John Steinbeck.

Em pouco mais de um ano, Dean construiu uma carreira no cinema, em três papéis diferentes, mas que tinham em comum   sua sedutora presença.

Fora das telas, estudava dança com Eartha Kitt, pintava quadros eróticos sobre touradas e disputava corridas de automóveis.

O romance com a  italiana Pier Angeli calou um pouco as fofocas  sobre sua sexualidade, mas a  atriz logo rompeu o relacionamento para se casar com o cantor Vic Damone.



Rebelde sem Causa



Juventude Transviada (Rebel without a Cause -1955), que chegou às telas após sua morte, foi um filme sobre alienação e medo, agregando um subtexto gay aos personagens protagonizados por Dean (Jim Stark) e Sal Mineo (Plato).

Ali nasceu o clichê de filho rebelde exibicionista, furioso que afronta a família para esconder uma profunda solidão. No entanto, nada mais é que um inocente em busca da própria identidade.


Sai o ator entra o piloto

O terceiro trabalho de James Dean foi o filme Assim caminha a humanidade ( Giant, de George Stevens – 1956). 

Nesta película, o personagem de Dean, Jett Rink, cumpre uma mirabolante  trajetória de fazendeiro a magnata do petróleo, um transgressor na juventude que  acaba em  inevitável declínio.  

Terminadas as filmagens de “Assim caminha a humanidade”, sai de cena o  ator James Dean dando lugar ao moço fanático por corridas  de automóveis e  torneios de velocidade. 

Viajando na cabine do caminhão plataforma que levava seu carro a Salinas,California, resolveu assumir o volante do Porsche 550 Spider número 130. 
Uma hora depois - nas proximidades  da  cidade de Cholame (EUA) -avistou o Ford Custom Tudor 1950, de Donald Turnupseed na contramão.  


Ali começou o culto obsessivo e fanático pela imagem de Dean, transformado em ícone e símbolo da cultura dos anos 50.

Viveu com pressa, morreu jovem, diz a canção “James Dean”, interpretada pela banda “The Eagles”  - um hit de 1974. 



Nos dois anos seguintes à sua morte, concorreu a dois prêmios Oscar póstumos  por “Vidas Amargas” e “Assim Caminha a Humanidade”.

Filmes, peças, documentários e imagens eternizaram  o carisma de James Dean. 

O Festival de Cannes de 2005  lembrou  o cinquentenário da morte  em   parceria com a  revista Variety,  com a exposicão ''Um olhar longo sobre uma vida breve'', nos corredores  do Palais du Festival. 

No início de junho daquele ano, 150 mil pessoas se reuniram na cidade natal de Dean - Marion, Indiana -  durante as festas de  inauguracão da maior  tela de cinema do mundo a céu aberto, que projetou documentário inédito e versões digitalizadas dos filmes de seu filho mais célebre. 



*******************************************************************************  Ouça a banda “The Eagles”  cantando “James Dean”(1974)


  

Nenhum comentário: