quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Cristo Redentor -80 anos ontem



Em janeiro de 1502, os portugueses que aqui aportaram, confundiram a baía com um rio e nomearam nossa cidade maravilhosa Rio de Janeiro.
O monte ao lado foi chamado de Pão de Açúcar, porque lembrava a forma de um pitéu da doceria lusa.
A montanha em frente foi chamada de Pináculo (ou Pico) da Tentação por alguém deslumbrado com o que via e que se lembrou da citação bíblica: onde o Demônio conduziu Cristo, tentando-o com os pecados do mundo.
No século 17, foi rebatizada como Corcovado, porque lembra a forma de uma corcova (ou corcunda).
Mais de duzentos anos depois, um padre francês, o lazarista Pierre Marie Boss, conseguiu uma audiência com a Princesa Isabel - católica fervorosa que ,como penitência, uma vez por semana lavava as escadarias de igrejas diferentes.
Padre Boss, igualmente deslumbrado pelo local, sugeriu que ali fosse erigido um pedestal em homenagem ao Cristo. Em 1882, Dom Pedro II, a pedido da Princesa, comandou pessoalmente uma excursão ao morro, quando foi aberta uma trilha que levava ao cume.
Concedeu aos engenheiros João Teixeira Soares e Francisco Pereira Passos exclusividade para que construíssem e explorassem a Estrada de Ferro do Corcovado.
Em 1884, com a presença em peso da Família Imperial, foram inaugurados o trecho Cosme Velho-Paineiras e o Hotel das Paineiras, que chegaria a servir como concentração para a seleção brasileira de futebol,nos futuros anos 50 do século seguinte.
Um ano depois, foi inaugurado o trecho final Paineiras-Corcovado, com 3.800 metros. Em 1906, a Light (The Rio de Janeiro Tramway, Light and Power) recebeu a concessão da estrada, e fez dela a primeira primeira ferrovia eletrificadada do Brasil O fascínio pelo local, como se vê, vem de longe.
Vocação para vencer
Em 1921, a produção do evento comemorativo do centenário da Independência, com a habitual antecedência brasileira zero, faltando, portanto, um ano para a data oficial, decidiu que o projeto de erigir um monumento ao Cristo seria retomado.
Na sede do Círculo Católico, aconteceu a assembléia que deveria escolher o local. Concorreram o Morro de Santo Antonio (derrubado depois para as obras de renovação da cidade), o Pão de Açúcar (seria um pleonasmo juntar maravilha com maravilha) e o Corcovado, que venceu por ser o local mais alto. O Presidente Epitácio Pessoa recebeu um abaixo assinado com cerca de vinte mil assinaturas e deu sinal verde para a construção do monumento . O projeto foi do engenheiro Heitor da Silva Costa, que a ele dedicou dez anos de vida. Vencido o concurso, em setembro de 1923, a Igreja Católica começou, nas suas paróquias, uma campanha nacional para arrecadar fundos para a obra,.
O cientista italiano Guglielmo Marconi deveria inaugurar a iluminação a partir do seu iate Electra, ancorado na baía de Nápoles.
Uma estação em Dorchester, na Inglaterra, captaria o sinal e retransmitiria para uma antena em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, de onde seriam acesas as luzes do Corcovado, mas o mau tempo não permitiu.
A alta sociedade, políticos e eclesiásticos assistiram a iluminação ali mesmo, na sede do Fluminense Futebol Clube, no bairro das Laranjeiras.
O povão viu mesmo foi direto de casa, porque ontem como hoje, o Cristo é visto de qualquer parte da cidade (menos da Barra da Tijuca)
Tombado pelo Patrimônio Histórico desde 1973,O Cristo do Corcovado é o ponto turístico
mais concorrido do Rio, com suas novas escadas rolantes (e as antigas que lá continuam, para quem quiser subir a pé),recebendo
cerca de um milhão e oitocentos mil visitantes por ano.
*****
Altura total: 738 m ;
Montanha, 700 m
Pedestal:8 m estátua: 30 m.
Tamanho da cabeça::3,75 m ,de cada mão: 3,20 m.
Distância entre as extremidades das duas mãos:28 m
Largura da túnica:8,50 m.
Peso aproximado da cabeça:30 toneladas,peso de cada mão:8 toneladas Peso total, 1 145 toneladas.
Área do pedestal:100m2 *****************************************************************************************

Nenhum comentário: