sábado, 21 de julho de 2018

Trilogia Rainhas (quase) Desconhecidas. 2




A historiadora de arte Sophie Brouquet, professora de  história medieval na Universidade de Toulouse II Mirail, escreveu um livrodedicado  às rainhas da França na Idade Média.
Publicado em outubro de 2015 por Edições "Ouest-France", o livro é ricamente ilustrado  com iluminuras  e outros documentos antigos. Descreve a vida das 34 rainhas do Reino da França  entre os séculos 11 e 15.
 *****
Aliénor de Aquitânia, Blanche de Castela, Isabeau da Baviera e Anne da Bretanha, segundo a autora,são as rainhas que mais deixaram  marcas durante este período.
 Para investigar as rainhas da França, muitas vezes é necessário passar pelos reis, que deixaram documentação importante. As crônicas sobre as rainhas se limitam a  casamento, nascimento de seus filhos, morte e funerais. 
 

O noivado das futuras rainhas da França era negociado e concluído desde a mais tenra infância entre o pai e o futuro marido, para fins diplomáticos.  
O rei da França  ficava num dilema:  escolher uma princesa estrangeira, filha de um rei, como Blanche de Castela, para selar a paz ou concluir uma aliança importante..mas essa escolha também poderia  ser perigosa se a rainha passar a ser olhada  como "o agente do inimigo", como Isabeau da Baviera, ou preferir uma princesa francesa.  

Neste caso, o casamento é menos importante, mas poderia ser muito útil para consolidar o poder do rei dentro de seu reino, assim como a esposa de Hugo Capeto, Adelaide de Poitou. eja repudiado 

O papel principal de uma rainha era dar descendentes  ao rei e, antes do casamento, era examinada por um tribunal. Sua primeira função  era dar à luz um herdeiro varão e ,aquelas que não tiveram sucesso, como Eleanor da Aquitânia ,foram repudiadas. 

As monarquias ,em geral, e mesmo as modernas,legitimaram este critério de escolha ou,por motivos meramente "morais" e políticos,claro,impediram que seus representantes pudessem seguir o coração.
Caso da Princesa Margareth da Inglaterra que 2a na linha de sucessão ,pois o Príncipe Charles ainda era uma criança, abriu mão do casamento com um homem divorciado, Peter Townsend.

Grandes mudanças,novos ares e necessidade de manter o status real aboliram de vez os pruridos: aí está Meghan  
Duquesa de Sussex, divorciada, americana e afrodescendente,mais os rumores de que teria casado grávida de gêmeos.
 Recebida com todos os louvores e aprovada pelo Parlamento,encantando o Reino Unido e o mundo.

**********
Mas na segunda metade do século 20, tempo de mudanças, descobertas e avanços, uma rainha também foi  rejeitada por ser estéril: Soraya.

Nenhum comentário: