sábado, 26 de agosto de 2017

Marilyn Monroe

Este agosto que vai terminando,marca os 55 anos da morte de Marilyn, que estaria com 91 . ( *1926)

Homenagem do então jovem Elton John. A canção foi adaptada , 20 anos atrás, para o funeral de Lady Di.

Goodbye Norma Jean

https://www.youtube.com/watch?v=7eIl_b5nHcE
 ****
Agradeço a todos que replicaram meu texto em seus sites- citando a fonte, aos que o adaptaram citando a fonte (alguns,não! ..que coisa feia! ) e aos que assumiram a autoria indevidamente.
 Afinal, quem clona,em geral,aprecia.Não estimulo,mas a clonagem não deixa de ser um elogio.

***********
Ascenção e queda da Diva loura


Marilyn Monroe permanece como o maior símbolo sexual do século 20, tornada ícone pela arte de Andy Wahrol, grande nome do cinema em todos os tempos e o mais tocante delesA morte trágica - e ainda não completamente esclarecida - aos 36 anos, só fez aumentar o mito

Ainda em vida, geminianamente, era uma mulher dividida em duas: uma pública expirando sensualidade que levava horas para ser “montada” e o mundo conhecia como Marilyn.

A outra, desconhecida, órfã de pais vivos e que vagou por muitos lares adotivos e desejou – sem sucesso- ser reconhecida pelos próprios méritos: Norma Jean. 
O temperamento oscilante contrastava com a grande determinação. 

Era adorada por homens e mulheres, que não se sentiam ameaçadas pelo símbolo sexual
Todos experimentavam o mesmo sentimento pela figura da falsa loura de corpo escultural: ternura

Cultivada pelos estúdios da 20th Century Fox, MM encarnava o sexo em estado bruto e aceitava numa boa os papéis de loura burra que lhe apresentavam. 

No entanto, seu talento natural de comediante iluminava a tela

Norma Jean

  Nascida  Norma Jean Mortensen, depois Baker, no dia 1º de junho de 1926 em Los Angeles, era filha de pai desconhecido e Gladys Baker Mortensen, que trabalhava como montadora na indústria do cinema.
A internacão da mãe em hospitais psiquiátricos e a passagem por nove casas de família e orfanatos em 4 anos marcaram sua vida.
Em junho de 1942, aos 16 anos, casou-se com James E. Dougherty. Durante a 2ª Guerra Mundial havia grande demanda de fotos femininas para os soldados

.Enquanto o marido lutava na Europa, Marilyn foi à Agência Blue Book Modeling and Studio e começou a trabalhar imediatamente 

Garota do calendário

As primeiras atuações como modelo e manequim a transformaram em “pin-up girl” com algumas figurações no cinema.

O casamento durou 4 anos e, na época do divórcio, já era conhecida como Marilyn Monroe Marilyn, nome emprestado de uma atriz de musicais da Broadway e o Monroe da avó materna.
 É deste momento a famosa foto nua em fundo de veludo vermelho para o calendário da Playboy. 

A carreira no cinema progredia. 
Logo estava  atuando ao lado dos Irmãos Marx e dirigida por John Huston e J.L. Mankiewickz.Foi com um papel dramático que alcançou o respeito da crítica: “Niagara”, de Henry Hathaway.  

A estrela sobe 

 O sucesso continuou: MM brilha em “Os homens preferem as louras”, de Howard Hawks  e “Como agarrar um milionário”, de Jean Negulesco. 
E acontece o casamento - que durou apenas 9 meses - com o ídolo do baseball Joe Di Maggio.

Em 1955, estrela já reconhecida, Marilyn funda sua produtora, em sociedade com o amigo Milton Greene e anuncia a intenção de deixar a Fox.
Antes de terminar o contrato, filma a celebérrima cena da saia levantada no metrô, diante de uma audiência de 5.000 pessoas.
A estrela brilha

Agora, Marilyn deseja ser, cada vez mais, ser reconhecida como atriz.  Para isso, segue os cursos do Actor's Studio  onde Lee Strasberg e sua mulher Paula lhe  ensinam o “Método” - teorias de Stanislavski,  sobre o papel do ator.

Depois do  casamento com o dramaturgo Arthur Miller, vai a Londres - acompanhada da agora onipresente Paula Strasberg - para filmar com Sir Laurence Olivier

A estrela doente 

Depois de 2 anos de ausência, volta a Hollywood para, cheia de charme e beleza, estrelar “O pecado mora ao lado”.Atrasos, caprichos e  faltas de concentração passam a ser coisa comum.  

Foram necessárias 47 tomadas para a  fala  Where's the bourbon”? 
Alternando gestações mal sucedidas e abortos (cerca de doze) ela, que adorava crianças, acabou ficando estéril.
Começou a fase do que MM chamava “doencinhas”, causadas por queda de imunidade e pela cada vez maior ingestão de barbitúricos.

Desajustada  

Em 1961, Marilyn se prepara para um personagem dramático em  "Os desajustados"  escrito por Miller e dirigido por Jonh Huston. Faz uma jovem mulher instável em processo de divórcio, que se apaixona por 3 homens ao mesmo tempo.A filmagem aconteceu no limite do suportável, porque o casamento com Miller já se desintegrava. 

Finalmente, saiu o divórcio em fevereiro de 1962.Marilyn inicia uma absurda relação com o jovem presidente dos Estados Unidos John Kennedy e com seu irmão, o Ministro da Justiça Robert  Kennedy(Bob).É o período das depressões severas e internações em clínicas. 
O fantasma da mãe doente mental surge em seus delírios, causados pela ingestão de quantidades industriais de medicamentos psiquiátricos.

O mundo caiu 
No dia 21 de maio, desobedece as ordens de se afastar do estúdio e vai ao Madison Square Garden onde, vestida com um modelo costurado ao corpo canta (ou melhor, sussurra, "Happy Birthday, Mister President" para John  Kennedy.
O universo de Marilyn desaba neste instante. 
Profissionalmente está desacreditada, a saúde péssima, a vida sentimental falida. 

A obsessão que passou a ter por Bob Kennedy, casado e pai de nove filhos, a transforma em pessoa que incomoda o primeiro escalão do governo 

 Vida depois da morte 

5 de agosto de 1962. O mundo inteiro recebe, chocado a notícia da morte e com o desenrolar das investigações, percebe que a tese de suicídio, divulgada logo após a morte, não bate.

Ainda hoje, a versão oficial é confrontada com o cenário da tragédia, sendo que os prováveis assassinos vão da Máfia à família Kennedy ajudada pela CIA, pelo legista e pelo psiquiatra.

Os 37 minutos de atuação em “Something's Got To Give”, interrompidos pela morte da estrela principal estão no documentário "Marilyn Monroe: Life After Death" ,1994, dirigido por Gordon Freedman.
 *********
"Marilyn Monroe: Life After Death"
no original, em inglês, duração de cerca de 1 h e 15 minutos

https://www.youtube.com/watch?v=DiYivZ8-K6

Este,dublado em português

https://www.youtube.com/watch?v=KCy_xUYgRYI&t=9s

Nenhum comentário: